Ligue-se a nós

CLDF

Câmara Legislativa celebra 215 anos da PMDF em sessão solene

Publicado

no

Sessão solene realizada pela Câmara Legislativa do Distrito Federal marcou a celebração de 215 anos da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). A reunião ocorreu na manhã desta segunda-feira (20) por iniciativa do deputado Hermeto (MDB), oriundo da força policial

Hermeto lembrou um pouco da história da corporação. “Começa no século XIX com a vinda da Coroa Portuguesa para a cidade do Rio de Janeiro devido ao bloqueio continental e à invasão de Portugal pelas tropas de Napoleão Bonaparte. Hoje são quase dez mil integrantes treinados e capacitados. Tive a honra de ficar 30 anos na corporação, ingressei em julho de 1990 e fui o primeiro deputado oriundo da PMDF que saiu da ativa direto para o Parlamento. Foi a Polícia Militar que me salvou e me fez chegar onde estou hoje. Tenho um único filho, João Lucas, e ano que vem ele estará vestindo a farda da nossa corporação. Vai ser o dia mais feliz da minha vida! Tenho muito orgulho da história e da minha trajetória”, lembrou Hermeto.

Ele falou ainda sobre a reestruturação da carreira de praças da PMDF que está para ser enviada para análise do Congresso Nacional.

“Está praticamente pronta a reestruturação. Hoje um soldado ingressa na corporação e leva dez anos para ser promovido a cabo. Depois mais cinco para terceiro sargento e mais cinco para a próxima promoção. O topo da carreira é subtenente. Em outras carreiras [para as quais] votamos aqui algumas reestruturações [e as pessoas] chegam ao fim com 12 ou 13 anos. Tenho conversado com o governador Ibaneis Rocha (MDB) e com a vice-governadora Celina Leão (PP) e temos que mandar essa reestruturação para que nossos policiais sintam-se valorizados porque a promoção valoriza o policial, o ser humano que vai para a rua. Vamos precisar muito da ajuda da deputada Bia Kicis (PL) porque são 513 deputados federais e só oito conhecem a nossa realidade”, destacou Hermeto.

Por sua vez, a Comandante-Geral da Polícia Militar do Distrito Federal, coronel Ana Paula, disse que a solenidade é uma oportunidade de celebrar e refletir. “Oportunidade para refletir sobre nossa trajetória e planejar um futuro ainda mais promissor, que seja marcado pela paz, segurança e pelo bem-estar de todos os que vivem e visitam o Distrito Federal. Parabéns a PMDF pelos 215 anos. A Polícia Militar do DF é muito mais que segurança. Orgulho de ser policial militar”, defendeu a comandante.

Já a deputada federal Bia Kicis (PL) reiterou que a corporação pode contar com seu apoio na Câmara dos Deputados. “Sei que a corporação tem um efetivo previsto de 18 mil integrantes e hoje tem menos de dez mil. Podem contar comigo sempre, lutando pelo Fundo Constitucional, que foi seriamente ameaçado e nós conseguimos mantê-lo intacto. Contem [comigo] para derrubar vetos que prejudicam a corporação, pela reestruturação de carreira e por uma remuneração mais digna. A gente sabe que a PMDF já foi uma das mais bem pagas do país e hoje não é mais assim. Estamos todos unidos pela PM e por todas as forças. Contem com o meu mandato”, garantiu a deputada federal.

Anúncio

A parlamentar lembrou ainda que foi aprovado recentemente um aumento da lei orçamentária que permitirá a nomeação de 1.284 pessoas para a PMDF. Então, Hermeto afirmou que será a primeira vez que a instituição vai realizar curso de formação para um número tão elevado e destacou o número de mulheres. “Pela primeira vez serão 30% de mulheres no curso de formação”, registrou o deputado.

O secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Sandro Avelar reforçou a importância desses números para recompor o efetivo. “Fui secretário de Segurança há uma década. A PM tinha à época 15.670 membros e a população do DF era de 2,5 milhões de habitantes. Hoje, a população superou 3 milhões de habitantes e a Polícia Militar teve uma queda muito significativa em seus quadros para dez mil integrantes. A Polícia Civil tinha mais de seis mil e hoje são menos de quatro mil integrantes. É preciso reconhecer o esforço da corporação. A PM é uma instituição bicentenária que merece todo respeito. É a segunda polícia menos letal do país”, declarou o secretário.

O Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, coronel Sandro Gomes afirmou que a união entre as forças é fundamental. “A Polícia Militar é o pilar mais importante da segurança pública no DF. É uma corporação eficiente e preparada. Queremos pegar os bons exemplos e usar no Corpo de Bombeiros, que é o irmão mais novo da PM, e [estarmos] cada vez mais próximos [pelo bem público]”, falou o comandante Sandro.

O subtenente da PMDF, veterano Amauri Viralindo Lima, relembrou sua trajetória na força. “Em 1971 entrei na PM, fundando a Companhia de Operações Especiais, que hoje é o BOPE. Era um pelotão de cães, um de moto e um pelotão de choque. E hoje o BOPE está aí [fazendo belo trabalho]”, disse o decano.

O secretário-executivo de Relações Parlamentares da Secretaria da Casa Civil do Distrito Federal, Maurício Amaral, disse que “tempos difíceis fazem homens e mulheres fortes e as dificuldades mostram que a instituição é mais forte que as intempéries”.

A juíza de Direito do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Iracema Canabrava Rodrigues Botelho manifestou orgulho da PMDF. “Sou filha de Brasília, tenho 16 anos de magistratura e sei da importância do trabalho feito. Orgulho-me da PM e sei que essa é a melhor polícia militar do Brasil”, afirmou a magistrada.

Anúncio

Ao fim da solenidade foram entregues 60 moções de louvor a integrantes da PMDF comemoração aos 215 anos da corporação.

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência CLDF

Anúncio

CLDF

Projeto de Lei quer “blindar” educação básica pública contra privatização

Publicado

no

Por

Texto também alerta sobre os riscos do aprofundamento das desigualdades de ensino e da ameaça à transparência no uso dos recursos públicos na educação

O Vice-Presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Deputado Distrital Ricardo Vale (PT), protocolou na Casa o Projeto de Lei 1.149/2024, que proíbe o governo de terceirizar a gestão pública das escolas na “execução das atividades de ensino, gestão educacional e aprendizagem vinculadas à educação básica pública”. A proposta é uma reação às recentes investidas de alguns governadores que têm discutido propostas prevendo essa interferência em São Paulo e no Paraná.

“É uma medida preventiva. Porque a estratégia é conhecida: sucatear para privatizar e sempre com a promessa de melhoria. A população no DF foi prejudicada com a privatização da Ceb, e o que vemos hoje, na prática, são serviços caros e de qualidade questionável. Precisamos estar atentos e não permitir que serviços básicos sejam comercializados e o Estado fique isento de suas responsabilidades. O Estado não é empresa, seu compromisso é com as pessoas e não com o lucro”, explica Vale.

Segundo a justificativa do PL, “a gestão privada impõe obstáculos e restrições na liberdade para selecionar seus alunos, o que pode resultar em exclusão de estudantes com necessidades especiais, de baixa renda”. O texto também alerta sobre os riscos do aprofundamento das desigualdades no sistema de ensino e da ameaça à transparência em relação ao uso dos recursos públicos destinados à educação.

A ameaça de privatização também provocou a reação do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF). Em junho, a entidade se posicionou em solidariedade a greve dos professores do Paraná e contra a aprovação do Projeto de Lei estadual (PL) 345/2024, de autoria do governo Ratinho Júnior (PSD), pela Alep, que privatiza a gestão administrativa, estrutural e financeira de 204 escolas públicas estaduais.


Fato Novo com informações: Comunicação Ricardo Vale (PT)

Anúncio

Continuar Lendo

CLDF

Servidores da CLDF terão que fazer curso sobre violência contra a mulher

Publicado

no

Por

Os servidores da Câmara Legislativa do Distrito Federal deverão participar de cursos de aperfeiçoamento sobre a temática da violência contra a mulher

A determinação está prevista na Resolução nº 349/2024, de autoria da deputada Dayse Amarilio (PSB), promulgada pelo presidente da Câmara Legislativa e publicada no Diário da CLDF nesta terça-feira (2). De acordo com a resolução, a participação dos servidores será obrigatória.

Os cursos deverão ser ministrados pela Escola do Legislativo (Elegis), por instrutor reconhecido por seu conhecimento na área, que poderá ser contratado externamente.

Ainda segundo o texto, para os servidores que vierem a ingressar após a publicação da Resolução, o curso deverá ser realizado em um prazo máximo de 70 dias da data de sua posse.

Por sua vez, os servidores que já ocupam os seus cargos deverão realizar o curso de acordo com calendário a ser definido pela Elegis, em até um ano.

Anúncio

O texto também prevê que, no caso de modificações legislativas sobre a temática da violência contra a mulher, a Escola do Legislativo deverá realizar cursos de aperfeiçoamento para todo o conjunto de servidores da Casa, com periodicidade anual.


Fato Novo com informações: Agência CLDF

Continuar Lendo

CLDF

Lei inclui o Dia da Advocacia Trabalhista no Calendário Oficial de Eventos do DF

Publicado

no

Por

Ricardo Vale

Foi sancionada e publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) nesta segunda-feira (1) a Lei nº 7.509/2024, de autoria do deputado Ricardo Vale (PT)

A norma institui e integra, no Calendário Oficial de Eventos do Distrito Federal, o Dia da Advocacia Trabalhista.

A medida havia sido aprovada pela Câmara Legislativa e agora foi sancionada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB).

De acordo com a nova Lei, o Dia da Advocacia Trabalhista será comemorado, anualmente, em 20 de junho.

Além disso, o DF poderá promover, conjuntamente com entidades representativas das advogadas e dos advogados trabalhistas, atividades alusivas à data, na semana em que for celebrado o Dia da Advocacia Trabalhista.

Anúncio

Fato Novo com informações: Agência CLDF

Continuar Lendo

Mais vistas