Ligue-se a nós

Blog

Cannes: Oliver Stone defende Lula e ataca política “corrupta” dos EUA

Publicado

no

Oliver Stones exibe, neste domingo (19/5), o documentário Lula, durante a 77º edição do Festival de Cannes

cineasta Oliver Stone exibe, neste domingo (19/5), o documentário Lula, com um recorte da trajetória do atual presidente do Brasil da prisão, em 2018, até a vitória nas eleições de 2022.

Conhecido por filmes políticos, Oliver Stone, que já condizuiu obras como Salvador (1986), Platoon (1986), JFK: A Pergunta que Não quer Calar (1991) e Snowden (2016), concedeu entrevista à revista Variety e apontou os motivos que o levaram a produzir um longa sobre Lula.


“Ele teve dois ótimos mandatos como presidente. Foi muito bonito, não se poderia pedir mandatos melhores”, afirmou Stone. Sobre o novo turno de Lula como presidente, o cineasta também oferece um olhar positivo.


“Gosto como ele deixou claro que não teria fascistas em seu governo, que teria um governo limpo”, completa o cineasta.

O documentário, segundo o próprio diretor, abordará o embate entre Lula e Moro. “Há sérias evidências de erros da parte de Moro”, aponta Stone. Em 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou as ações penais contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por não se enquadrarem no contexto da operação Lava Jato, que tinha o ex-juiz federal como principal figura.

Anúncio

Stone questiona a forma como a política norte-americana interferiu na América Latina e em outras regiões do mundo. “Temos um histórico horrível na América do Sul praticando anos de intervenção”, avalia.

Trump, EUA, corrupção e Oliver Stone

Oliver Stone também comentou sobre a situação atual dos Estados Unidos, principalmente, sobre a possibilidade da reedição do embate entre Donald Trump e Joe Biden.


“As acusações dos dois lados são muito duras, há acusações de que Biden é corrupto e de que Trump também seria”, inicia Stone. Para o cienasta, a corrupção está completamente associada à política norte-americana.


“É como as coisas são. Tem vida, tem morte e tem corrupção. Não se pode apontar o dedo para outros países e dizer que são corruptos e que o presidente precisa ser retirado do poder ou que é necessário acabar com aquele regime. Quem somos nós para falar essas coisas se somos profundamente corruptos”, questiona Stone.

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Metrópoles

Anúncio

Blog

Apesar da pressão, Biden diz que não vai deixar a campanha presidencial

Publicado

no

Por

De acordo com Biden, ele ainda tem “muito para terminar” como presidente

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, declarou que continua como candidato do Partido Democrata para as eleições deste ano. A afirmação foi feita em coletiva de imprensa transmitida pela Casa Branca, nesta quinta-feira (11/7).


“Eu derrotei o Trump e vou derrotá-lo de novo”, afirmou Biden, em resposta a um dos jornalistas. O presidente disse não estar preocupado que pesquisas eleitorais apontem que a vice-presidente Kamala Harris teria mais chances de derrotar o candidato do partido Republicano.


De acordo com Biden, ele ainda tem “muito para terminar” como presidente. “Posso citar cinco presidentes que tinham números menores do que o meu mais perto da eleição e ganharam”, argumentou.

Biden vem recebendo críticas por conta da atuação no debate contra Donald Trump, candidato do partido Republicano. Peter Welch, senador do partido Democrata, o jornal The New York Times e até o ator George Clooney pediram que ele saísse da disputa.

Anúncio

Fato Novo com informações: Correio Braziliense

Continuar Lendo

Blog

Dinheiro da venda de joias sauditas chegava para Bolsonaro em “cash”

Publicado

no

Por

Relatório da PF que levou ao indiciamento de Bolsonaro e mais 11 mostra conversas de Mauro Cid: “Quanto menos movimentação bancária melhor”

ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teria recebido parte do valor da venda ilícita de joias sauditas em dinheiro vivo. Relatório da Polícia Federal enviado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mostra conversas de WhatsApp trocadas entre o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Mauro Cid e o ex-assessor Marcelo Câmara nas quais Cid diz que é preciso evitar o uso do sistema bancário: “Quanto menos movimentação em conta melhor, né?”, diz Cid.

A conversa ocorre em 18 de janeiro de 2023, quando Câmara estava com Bolsonaro em Orlando, nos Estados Unidos. O ex-ajudante de ordens diz que tem US$ 25 mil com o pai dele, o coronel Lourena Cid, e que isso poderia ser entregue em “cash”.

“Eu estava vendo o que que era melhor fazer com esse dinheiro levar em ‘cash’ aí. Meu pai estava querendo inclusive ir aí falar com o presidente (…) E aí ele poderia levar. Entregaria em mãos. Mas também pode depositar na conta (…). Eu acho que quanto menos movimentação em conta melhor, né?” Veja:

Anúncio

Na mesma mensagem, Cid diz que “aquele navio e aquela árvore, elas não são de ouro” e relata dificuldades para vender. Em seguida, conta a Câmara sobre o procedimento de venda, por meio de leilão, de um kit, que conteria um relógio. “O relógio, aquele outro kit lá, vai pro dia 7 de fevereiro, vai pra leilão. Aí vamos ver quanto que vão dar”.

Em resposta, Câmara se refere aos US$ 25 mil e diz que é melhor “em cachê”.

Ainda em depoimento de Mauro Cid na PF, o ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro afirmou ter entregado uma parte do dinheiro da venda das joias em mãos ao ex-presidente durante uma viagem oficial a Nova York.

Os recursos teriam sido entregues em espécie em setembro de 2022, quando Bolsonaro estava na cidade norte-americana para fazer aquele que seria seu último discurso como presidente brasileiro na Assembleia Geral da ONU.

O dinheiro, de acordo com o relato de Cid à PF, seria referente a um relógio de luxo recebido por Bolsonaro de autoridades estrangeiras e vendido pelo próprio tenente-coronel nos Estados Unidos naquele mesmo ano de 2022.

Desvio de altos valores

A PF concluiu nesse relatório, que chegou ao Supremo, pelo indiciamento de Bolsonaro e mais 11 pelos crimes de peculato, associação criminosa, lavagem de dinheiro e advocacia. Quando é tratada a entrega de dinheiro em espécie, a PF afirma que “identificou indícios de que Bolsonaro, então presidente da República, seus assessores Marcelo Câmara e Osmar Crivelatti; o ex-chefe da Ajudância de Ordens Mauro Cesar Cid; o ex-chefe do Gabinete de Documentação Histórica da Presidência Marcelo Vieira e outras pessoas, ainda não identificadas, atuaram para desviar presentes de alto valor recebidos em razão do cargo pelo ex-presidente da República e/ou por comitivas do governo brasileiro”, diz relatório.

Anúncio

A PF concluiu “que os valores obtidos dessas vendas eram convertidos em dinheiro em espécie e ingressavam no patrimônio pessoal do ex-presidente da República, por meio de pessoas interpostas e sem utilizar o sistema bancário formal, com o objetivo de ocultar a origem, localização e propriedade dos valores”, concluiu a PF.


Ainda no relatório encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR), a PF “indica a possibilidade de que os proventos obtidos por meio da venda ilícita das joias desviadas do acervo público brasileiro, que, após os atos de lavagem especificados, retornaram, em espécie, para o patrimônio do ex-presidente, possam ter sido utilizados para custear as despesas em dólar de Jair Bolsonaro e sua família, enquanto permaneceram em solo norte-americano”, diz.

E conclui: “a utilização de dinheiro em espécie para pagamento de despesas cotidianas é uma das formas mais usuais para reintegrar o ‘dinheiro sujo’ à economia formal, com aparência lícita”.

Sigilo derrubado

Nesta segunda-feira (8/7), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes retirou o sigilo do caso das joias. Moraes considerou que, com o relatório final do caso apresentado pela Polícia Federal na semana passada, não há razão para manter o processo sob discrição.

Agora, a PGR terá o prazo de 15 dias para pedir mais provas, arquivar o caso ou apresentar denúncia.

O relatório da PF indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e mais 11 pessoas no caso em que é apurada a venda ilegal no exterior de joias recebidas durante o mandato presidencial. A PF concluiu que houve crime de peculato, associação criminosa, lavagem de dinheiro e advocacia criminosa.

Anúncio

A reportagem do Metrópoles entrou em contato com os advogados de Mauro Cid, mas, até a última atualização desta matéria, eles não tinham respondido. O espaço permanece aberto.

Resposta

Em nota à imprensa, os advogados do ex-presidente repudiaram os detalhes do relatório. Confira a nota na íntegra, assinada pelos advogados Paulo Amador da Cunha Bueno e Daniel Bettamio Tesser:

“A defesa de Jair Messias Bolsonaro, diante da decisão proferida nesta data, tornando públicos os autos da Pet 11645, que versa sobre bens do acervo de presentes oferecidos ao ex-Presidente durante seu mandato, vem esclarecer o seguinte:

Os presentes ofertados a um Presidência da República obedecem a um rígido protocolo de tratamento e catalogação e sobre o qual o Chefe do Executivo não tem qualquer ingerência, direta ou indireta, sendo desenvolvido pelo “Gabinete Adjunto de Documentação Histórica” (“GADH”), responsável por analisar e definir, a partir dos parâmetros legais, se o bem será destinado ao acervo público ou ao acervo privado de interesse público da Presidência da República. Referido Gabinete, esclareça-se, é composto por servidores de carreira e que, na espécie, vinham de gestões anteriores.

Note-se, ademais disso, que todos os ex-Presidentes da República tiveram seus presentes analisados, catalogados e com sua destinação definida pelo “GADH”, que, é bem de se ver, sempre se valeu dos mesmos critérios empregados em relação aos bens objeto deste insólito inquérito, que, estranhamente, volta-se só e somente ao Governo Bolsonaro, ignorando situações idênticas havidas em governos anteriores.

Anúncio

No curso desta mesma investigação — repita-se, estranhamente direcionada apenas ao ex-Presidente Bolsonaro —, houve representação para a inclusão do atual Presidente da República, tendo em vista as próprias declarações do mesmo de que, quando no exercício de mandato, havia recebido um relógio da sofisticada marca Piaget, presenteado pelo ex-Presidente da República Francesa, Jacques Chirac.

A despeito de tratar-se de situação absolutamente análoga, inclusive quanto a natureza e valor expressivo do bem, o Ministro Alexandre de Moraes, na condição de relator da presente investigação, determinou o pronto arquivamento da representação, em 6 de novembro de 2023, sem declinar as razões que tornariam aquela situação legítima e a do ex-Presidente Bolsonaro não.
Importa, ainda, lembrar que o ex-Presidente Bolsonaro, desde que foi noticiado, em março do ano passado, que o Tribunal de Contas da União havia aberto procedimento voltado a avaliar a destinação dos bens aqui tratados para o acervo privado de Presidência da República, antes mesmo de qualquer intimação ou ciência oficial, compareceu de forma espontânea aos autos e requereu que os referidos bens fossem, desde logo, depositados naquela Corte de Contas.

A iniciativa visava deixar consignado, ao início da menor dúvida, que em momento algum pretendeu se locupletar ou ter para si bens que pudessem, de qualquer forma, serem havidos como públicos. Se naqueles autos colocou-se em discussão o status legal de tais itens, dada a complexidade das normas que teoricamente disciplinam a dinâmica de bens dessa ordem, requereu-se, ad cautelam, que desde logo ficassem sob a custódia do poder público, até a conclusão da discussão sobre sua correta destinação, de forma definitiva.

A presente investigação — assim como as demais que colocam hodiernamente o ex-Presidente como protagonista —, ressente-se, ainda, da evidente incompetência do Supremo Tribunal Federal e da inexistência de qualquer prevenção do Ministro Alexandre de Moraes enquanto relator, aspecto sobre o qual a Procuradoria Geral da República, já em agosto de 2023, expressamente declinou da competência para a tramitação da apuração, indicando o MM. Juízo de 1.ª instância em Guarulhos. Como sói acontecer nos feitos que envolvem o ex-Presidente, a apuração permaneceu tramitando na Suprema Corte, ignorando-se a manifestação da PGR.

Por último, a defesa manifesta sua completa indignação com o fato de que o relatório apresentado pela Polícia Federal, imputou — de forma temerária e despida de quaisquer fundamentos factuais ou mercadológicos —, que o exPresidente teria tentado beneficiar-se de valores contabilizados na absurda ordem de R$ 25.000.000,00, afirmação que, somente após enorme e danosa repercussão midiática, foi retificado pela Polícia Federal.”

Anúncio

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Metrópoles

Continuar Lendo

Blog

Museu da República recebe evento gratuito sobre inteligência artificial

Publicado

no

Por

Programação inclui palestras e painéis de discussão que abordarão as aplicações da tecnologia em diferentes áreas

Nesta quarta (19) e quinta-feira (20), o Museu da República receberá o AI Experience, que reunirá especialistas, empresas de tecnologia e representantes do setor público para discutir sobre as aplicações da Inteligência Artificial, regulação e outros temas. Haverá transmissão online no site do evento.

Arte: Secti-DF

A programação inclui palestras, apresentações de cases de sucesso e painéis de discussão sobre a adoção da inteligência artificial em áreas como educação, saúde, negócios e engenharia. Entre os palestrantes, estão confirmados Ronan Damasco, diretor nacional de tecnologia da Microsoft Brasil; Ricardo Barros, coordenador do GT de IA do Governo do Distrito Federal (GDF); e Carlos Longo, reitor da Universidade Católica de Brasília. A programação completa pode ser conferida neste link.

Continuar Lendo

Mais vistas