Ligue-se a nós

Agropecuária

Produção intensiva de pescado será apresentada na AgroBrasília

Publicado

no

Circuito da Aquicultura da Emater-DF terá ainda um aquário mostrando as principais espécies de peixes criadas no Distrito Federal

Na AgroBrasília 2024, a Emater-DF vai apresentar três opções de sistemas para produção intensiva de peixes no Circuito de Aquicultura. As inovações tecnológicas representam alternativas à criação tradicional de peixes, que é feita em viveiros escavados. Entre as opções disponíveis estão o tanque de ferrocimento com sistema de aeração e sedimentação, a técnica de produção em bioflocos, o reservatório de irrigação em geomembrana para produção de peixes. Esses sistemas possibilitam uma maior produtividade de peixes, utilizando menos água e ocupando uma área reduzida. Essas vantagens podem ser úteis para a produção no Distrito Federal, onde há muitas propriedades rurais com áreas menores e locais com pouca disponibilidade hídrica.

“A produção intensiva vem para responder algumas limitações, como a pouca disponibilidade de água, além de dar um uso múltiplo para a água, como usar o reservatório de irrigação para a produção de peixes”, afirmou Adalmyr Borges, coordenador do Circuito de Aquicultura

Segundo o coordenador do Circuito de Aquicultura, Adalmyr Borges, o sistema de criação mais comum no DF é o viveiro escavado, que também pode ser visto como um modelo na AgroBrasília 2024. No entanto, a maioria das propriedades rurais que praticam agricultura irrigada tem um reservatório de irrigação. “Então, por que não utilizar um reservatório desse para a produção de peixes? E esse reservatório entra na produção intensiva, porque a gente aproveita essa água que está sendo renovada diariamente, associa um sistema de aeração e garante uma produção de peixe com a mesma água que vai ser utilizada para a produção de vegetais”, explica o coordenador.

Além de apresentar alternativas à criação tradicional de peixes, o circuito da Emater-DF demonstrará como integrar a produção de peixes com a agricultura irrigada, oferecendo soluções para as limitações enfrentadas pelos produtores. “A produção intensiva vem para responder algumas limitações, como a pouca disponibilidade de água, além de dar um uso múltiplo para a água, como usar o reservatório de irrigação para a produção de peixes”, afirma Borges.

O tanque de ferrocimento com sistema de aeração e sedimentação está entre as opções disponíveis para produção intensiva de peixes que serão apresentadas pela Emater-DF na AgroBrasília 2024 | Foto: Divulgação/Emater-DF

 

 

Anúncio

 

 

 

 

 

Anúncio

 

 

 

 

 

Anúncio

 

 

 

Em relação aos custos da produção intensiva, o coordenador explica que a principal desvantagem é o maior uso de energia elétrica. “A Emater aconselha que os sistemas intensivos sejam associados a um sistema de produção de energia fotovoltaica, para não ter esse impacto tão grande no aumento da energia elétrica”, afirma. Por isso, a importância de fazer seu projeto técnico, com o dimensionamento correto da produção e alinhamento das expectativas, antes de iniciar os investimentos na produção de peixes.

“O custo na produção intensiva de peixes pode aumentar de R$ 4 a R$ 5 no quilo do peixe produzido. Isso impacta a hora da venda também. Então, o ideal é que o produtor não leve para o mercado tradicional, porque para ter lucro ele vai precisa comercializar em um local que pague mais por aquele peixe, como nichos de mercado ou um pesque-pague, por exemplo”, lembra o coordenador.

Outro destaque será um modelo de agroindústria para o processamento de peixe em pequena escala, atendendo a legislação local. “Hoje, o grande desafio para a comercialização do pescado é o processamento, que é indispensável no caso de peixes, então o circuito vai mostrar um modelo de unidade de processamento que atende até uma produção de seis toneladas por mês”, destaca. O Circuito da Aquicultura terá ainda um aquário mostrando as principais espécies de peixes criadas no Distrito Federal.

Anúncio
AgroBrasília

A AgroBrasília é uma das maiores feiras do agronegócio do Planalto Central. Realizada pela Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (Coopa-DF), serve como vitrine de novas tecnologias e tem um cenário de referência em debates, palestras e cursos sobre diversos temas relacionados ao setor produtivo.

Em 2023, a feira recebeu 175 mil visitantes e movimentou R$ 4,8 bilhões em negócios. O evento será realizado entre os dias 21 e 25 deste mês, das 8h30 às 18h, no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci. A entrada é franca.

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Emater-DF / Agência Brasília

 

Anúncio

Agropecuária

Produtores celebram instalação de sistemas biodigestores de saneamento rural

Publicado

no

Por

Foram entregues 39 conjuntos que visam melhorar a qualidade de vida e as práticas agrícolas no Paranoá e PAD-DF

Produtores rurais do Paranoá e de regiões do PAD-DF, como Café sem Troco, Quebrada dos Neres e VC-401, comemoraram neste sábado (29) a instalação de sistemas biodigestores de saneamento em suas propriedades. Ao todo, 39 conjuntos foram entregues pelo Programa de Saneamento Rural da Emater-DF, que surgiu da necessidade de melhorar a qualidade sanitária dos alimentos produzidos, proteger o meio ambiente e promover a saúde coletiva no campo.

“Com esses sistemas, estamos não apenas modernizando as práticas agrícolas, mas também garantindo que os produtores rurais tenham acesso a condições de vida mais saudáveis e seguras”, afirmou Cleison Duval, presidente da Emater-DF

Na região do PAD-DF, muitos produtores que receberam os sistemas cultivam plantas medicinais, além de hortaliças e plantas suculentas e ornamentais. Os sistemas biodigestores proporcionam um meio eficaz de tratamento de resíduos e foram adquiridos por meio de emenda parlamentar da deputada Jane Klebia, que destinou R$ 376 mil ao programa da Emater-DF.

De acordo com o presidente da Emater-DF, Cleison Duval, tratar os resíduos de forma eficiente previne a contaminação do solo e da água, reduzindo o risco de doenças e melhorando a qualidade de vida dos moradores.


“Hoje estamos aqui fazendo uma entrega que é uma das determinações do nosso governador Ibaneis Rocha, que é levar infraestrutura e dignidade às famílias do campo. Com esses sistemas, estamos não apenas modernizando as práticas agrícolas, mas também garantindo que os produtores rurais tenham acesso a condições de vida mais saudáveis e seguras”, destacou Duval, ressaltando a importância da união de esforços entre o executivo, o legislativo e a comunidade.

Anúncio

A deputada Jane Klebia também enfatizou o impacto positivo dos sistemas biodigestores. “Isso vai mudar de verdade a qualidade de vida de vocês”, afirmou. A entrega foi realizada na propriedade da agricultora Joana Pires, de 58 anos, e de seu marido, Everaldo Pires, que foram beneficiados com o equipamento. Na propriedade, o casal cultiva feijão, mandioca, hortaliças e plantas medicinais como capim santo, capim limão, cavalinha, hortelã e eucalipto.


“Esse programa de saneamento rural foi um presente de Deus. Estou muito feliz por poder evitar a contaminação do solo e da natureza em geral. Agora, nós, agricultores, podemos ter mais saúde e qualidade de vida. Minha bisavó viveu mais de 100 anos comendo apenas produtos naturais, e eu sigo plantando o que ela plantava. Espero que, com essas melhorias, possamos viver vidas mais longas e saudáveis”, afirmou Joana Pires.


Continuar Lendo

Agropecuária

Agro do Quadrado: Crédito rural impulsiona a produção agrícola no Distrito Federal

Publicado

no

Por

Agricultores contam com apoio do governo no acesso facilitado a financiamentos usados no desenvolvimento econômico, tecnológico e diversificação das culturas nas áreas rurais. Entre 2020 e 2023, cerca de R$ 40 milhões foram viabilizados pela iniciativa

Agricultores contam com uma importante ajuda do Governo do Distrito Federal (GDF) para o desenvolvimento econômico das produções rurais. Trata-se do programa de crédito rural, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), que tem por objetivo assessorar os produtores na elaboração de projetos e critérios de acesso às linhas de crédito disponíveis.

Por meio da iniciativa, técnicos da Emater auxiliam os produtores a reunir toda a documentação necessária para obtenção do crédito rural junto aos bancos e instituições financeiras. Entre 2020 e 2023, foram quase R$ 40 milhões de investimentos viabilizados pelo programa.

O extensionista rural Claudinei Vieira explica que o dinheiro é utilizado pelos produtores para fomento de novas tecnologias, promover o crescimento dos índices produtivos e a diversificação de culturas, em consonância ao meio ambiente.

“Esses agricultores familiares às vezes não têm tanto conhecimento de como proceder para conseguir o crédito rural. Então, a Emater entra no circuito, preparando tudo e encaminhando ao banco para eles viabilizarem o acesso do agricultor a esse capital de giro”, acrescenta o técnico da empresa.


Segundo Vieira, uma das vantagens do crédito rural são os baixos juros praticados pelas instituições financeiras na modalidade. “É um benefício subsidiado com juros abaixo do mercado. O produtor vai pagando as parcelas à medida que a cultura começa a dar retorno”, detalha. “Isso é importante, pois é difícil o produtor ter fluxo constante de dinheiro na produção. Esse crédito viabiliza a aquisição de insumos, pagamento dos funcionários e até eventuais obras de melhoria e expansão da lavoura”.

Anúncio

Para participar do programa, basta o interessado procurar o escritório da Emater de sua região, portando os documentos pessoais e da propriedade. A iniciativa está disponível tanto para pessoas físicas quanto jurídicas com atividades rurais no DF e cadastradas junto à empresa.

O produtor rural Sandy Oliveira Pereira está entre os agricultores assistidos pela Emater com acesso a linha de crédito rural. O carro-chefe de sua propriedade é a produção de morangos – uma cultura considerada cara, que demanda investimentos de até R$ 100 mil por hectare plantado.

É dos morangos plantados e colhidos que vem o ganha-pão dele e de toda a família. Essa realidade não seria possível sem a ajuda do crédito rural.

“Sem ele eu não consigo produzir e sem a Emater eu não conseguiria essa ajuda tão importante”, enfatiza. “Hoje em dia, para você ter e manter uma lavoura dessa, é muito dinheiro envolvido, com preparo de terra, gotejamento prático, compra de muda e adubação. Se não é esse dinheiro, não tem nem como começar a plantar”, completa o agricultor.


Fato Novo com informações: Agência Brasília

Anúncio
Continuar Lendo

Agropecuária

Produtores têm até domingo (30) para declarar vacinação de bovinos contra brucelose

Publicado

no

Por

DF está abaixo do índice recomendado, que é de 80% das bezerras de 3 a 8 meses; doença pode atingir também seres humanos

Termina no próximo domingo (30) o prazo para que produtores rurais do Distrito Federal enviem a declaração de vacinação de bezerras contra a brucelose. Até o momento, 2.717 fêmeas bovinas foram vacinadas, das 7.179 registradas no DF, o equivalente a 37,8%. Dessas, 2.418 foram bezerras de 3 a 8 meses.

O percentual está bem abaixo do recomendado pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose/Tuberculose, que prevê o índice mínimo de 80%. No ano passado, foram vacinadas 7.402 fêmeas – entre bovinas e bubalinas. O índice de vacinação entre as bezerras de 3 a 8 meses ficou em 79,45%.


“É fundamental que os produtores rurais participem ativamente do processo de vacinação contra a brucelose, garantindo não só a saúde de seus rebanhos, mas também a segurança alimentar da população. A vacinação e a devida declaração são essenciais para mantermos o controle da doença. Caso os produtores não cumpram com essas obrigações, poderão sofrer sanções, conforme as normas estabelecidas. A colaboração de todos é crucial para alcançarmos o índice recomendado e proteger a saúde pública”, afirma o secretário da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF, Rafael Bueno.


As regiões com maior quantidade de fêmeas vacinadas em 2024 são Planaltina (799), Paranoá (458), Gama (313) e Brazlândia (244). As duas primeiras concentram os maiores rebanhos bovinos do DF.

Anúncio

A declaração deve ser feita pelo sistema Siagro ou nos escritórios da Defesa Agropecuária. Além do atestado, o produtor também deve apresentar a nota fiscal da vacina.

As regiões com maior quantidade de fêmeas vacinadas em 2024 são Planaltina (799), Paranoá (458), Gama (313) e Brazlândia (244) | Foto: Divulgação/CNA

Brucelose

A brucelose é uma doença transmissível, causada por bactérias do gênero Brucella, que se instalam no útero e/ou na placenta de fêmeas doentes e nos testículos de machos infectados. Nos bovinos, as principais manifestações da doença são o aborto e o nascimento de bezerros fracos ou mortos.

A enfermidade pode acometer também os seres humanos, por meio do contato direto com animais doentes ou pelo consumo de alimentos, como leite e carne. Entre os sintomas mais comuns, estão sudorese noturna, calafrios, fraqueza, cansaço, perda de peso e dores de cabeça, articulares e musculares.

A bactéria pode ser transmitida, ainda, durante a aplicação da vacina em bovinos. Por isso, o procedimento é feito obrigatoriamente por um médico veterinário cadastrado no programa de controle e erradicação da brucelose da Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF (Seagri).

Existem dois tipos de vacina: a B19, usada em bezerras de 3 a 8 meses; e a RB51, destinada às fêmeas com mais de 8 meses de vida.

Anúncio

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência do Trabalhador

Continuar Lendo

Mais vistas