Ligue-se a nós

Distrito Federal

Pdad Ampliada: pesquisa concentra atuação na região central do DF

Publicado

no

O coordenador de Pesquisas Socioeconômicas do IPEDF, Jusçanio Souza, destaca que a previsão é que a coleta dos dados continue até o final de junho

A região central do Distrito Federal tem sido foco na coleta de dados para a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios Ampliada (Pdad-A), feita pelo Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF). As visitas aos domicílios continuaram mesmo neste feriado do Dia do Trabalhador.

Os agentes de coleta contratados pelo IPEDF estão indo de porta em porta nas regiões administrativas do Plano Piloto, Sudoeste, Lago Sul e Lago Norte, que, segundo o instituto, são as localidades com menor índice de aplicação dos questionários. A PDAD tem como meta visitar 25 mil domicílios das 35 regiões administrativas (RAs) do DF, incluindo Água Quente e Arapoanga, e de 12 municípios goianos vizinhos.

O coordenador de Pesquisas Socioeconômicas do IPEDF, Jusçanio Souza, destaca que a previsão é que a coleta dos dados continue até o final de junho. “Mais de 70% dos dados já foram coletados e, nessa última etapa, estamos atuando nas áreas onde temos maior recusa, que são nas regiões do Plano Piloto, Sudoeste, Noroeste e nos lagos Sul e Norte, que historicamente são áreas em que temos um índice maior de rejeição à pesquisa”, diz. O levantamento começou em novembro de 2023.

Na tarde desta quarta-feira (1º), a agente de coleta Juliana Santos, que atua aplicando a pesquisa desde janeiro e já atuou em outros levantamentos estatísticos, sentiu na pele as dificuldades em realizar a pesquisa nas quadras 700 da Asa Norte. “Minha maior dificuldade é ser atendida pelos moradores. É um levantamento importante, mas muitos moradores nem vêm à porta. Geralmente, aqueles com quem consigo falar, conscientizo sobre a importância de participar”, relata.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Uma das pessoas que aceitou ser entrevistada foi o servidor público federal João Rodrigues, de 64 anos. “Toda e qualquer pesquisa para mim é importante, desde que o objetivo esteja relacionado às atribuições e obrigações que o governo tem com a sociedade, com a cidade, e identifique as necessidades básicas que a cidade carece, como, por exemplo, infraestrutura, e que sirva como base para as políticas públicas”, acredita.

A engenheira Talita Dornelas, de 38 anos, também participou do levantamento e destacou a amplitude do questionamento. “Achei a pesquisa bem ampla, aborda muitos aspectos da vida do cidadão e acredito que será útil para direcionar os programas de governo, identificar onde é preciso maior atuação e que tipo de políticas são necessárias para cada localidade. Pelo questionário, acredito que criará uma imagem de como é o DF como um todo”, salienta.

Jusçanio Souza enfatiza ainda que é essencial que a população conheça os benefícios da pesquisa. Segundo ele, para alcançar uma amostra quantitativa da região, é preciso que um determinado número de moradores e domicílios de cada região responda ao questionário. “Apelamos para a sensibilidade dos moradores para que participem da pesquisa, pois a recusa da população prejudica o processo. Os agentes estão identificados, com coletes, crachás e até mesmo um código de barras que permite confirmar os dados do pesquisador do IPEDF, e, se o morador quiser, pode também ligar para o instituto para verificar essas informações”, diz.

Todos os pesquisadores são identificados com o símbolo do Governo do Distrito Federal (GDF) e da empresa contratada para o levantamento. O uniforme é composto por colete, boné, camisa e crachá com QR Code. Esse código dá acesso à plataforma Valida Pesquisador e automaticamente mostra foto, nome, matrícula, empresa e pesquisa à qual o agente está associado. Caso essas informações não apareçam, o pesquisador não é validado pelo IPEDF.

Alcance ampliado

A Pdad-A é a atualização da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) e compreende, além da área urbana, a área rural do DF e os municípios de Goiás que integram o Entorno, somando as localidades anteriormente abrangidas pela PDAD Rural e a Pesquisa Metropolitana por Amostra de Domicílios (PMAD).

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Os dados obtidos serão utilizados pelos gestores públicos na elaboração e implementação de políticas adequadas às necessidades da população, além de investimentos mais efetivos. “Já realizamos sete edições da PDAD e isso nos possibilita conhecer e acompanhar o perfil socioeconômico do DF. É um estudo que, de fato, possibilita subsidiar ações de governo e políticas públicas, assim como identificar carências das regiões, o crescimento e envelhecimento populacional e saber se as RAs estão crescendo ou diminuindo”, ressalta o coordenador do IPEDF.

Além da região central, os agentes de coleta seguem entrevistando moradores de 17 regiões administrativas: Águas Claras, Arapoanga, Arniqueira, Brazlândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Jardim Botânico, Plano Piloto, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, São Sebastião, Sobradinho, Sobradinho II, Sol Nascente/Pôr do Sol e Vicente Pires. Em Goiás, a coleta está sendo realizada em Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho, Luziânia, Padre Bernardo, Planaltina e Valparaíso.

Os detalhes da Pdad-A 2023 estão disponíveis para a população neste site. É possível verificar a matrícula do pesquisador, fazer sugestões ou críticas, além de entender os principais pontos do levantamento.


Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações: Agência Brasília

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLDF

Ceasa poderá criar Banco de Alimentos para combater fome e desnutrição

Publicado

no

Por

As Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) estão autorizadas a criar, na forma de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, um Banco de Alimentos com o objetivo de promover a segurança alimentar e nutricional

Nesta terça-feira (28), a Câmara Legislativa aprovou, em dois turnos e redação final, o projeto de lei nº 1.084/2024, de autoria do Executivo, que trata da medida.

A atuação do Banco de Alimentos, segundo a proposição, estende-se à Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Entre as incumbências da organização está a formalização de parcerias com órgãos públicos do DF e dos municípios que integram a Ride, além da União.

São finalidades do Banco de Alimentos, entre outras: arrecadar e distribuir alimentos de qualquer espécie, com exceção de bebidas alcoólicas; fomentar programas e projetos de combate à fome e desnutrição; receber doação de recursos públicos ou privados; coibir o desperdício de alimentos; fazer campanhas junto a sociedade para estimular a doação de alimentos; bem como, promover cursos de capacitação.

Emenda ao projeto apresentada pelo deputado Jorge Vianna (PSD) e acatada pelos distritais cria o “Selo Distrital de Certificação de Empresa Consciente em Redução do Desperdício de Alimento”, com o objetivo de incentivar a adesão das empresas privadas ao Banco de Alimento do Distrito Federal.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Outra emenda, iniciativa do deputado Robério Negreiros (PSD), determina que os alimentos obtidos por doação em eventos esportivos e culturais, promovidos ou apoiados pelo Distrito Federal, devem ser “preferencialmente” direcionados ao Banco de Alimentos.

Entusiasta da ideia, a deputada Jaqueline Silva (MDB), que reivindicou a inclusão da matéria para apreciação na sessão da CLDF de hoje, comemorou o resultado da votação e a aprovação unânime do PL nº 1.084/2024, que segue para sanção do governador.


Fato Novo com informações: Agência CLDF

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo

Distrito Federal

Boletim especial traz dados sobre emprego e desemprego por grupos de regiões administrativas

Publicado

no

Por

IPEDF e Dieese analisam mercado de trabalho do DF sob a perspectiva territorial

O Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apresentaram os resultados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do DF, da periferia e da área metropolitana de Brasília referente ao mês de abril. Nesta terça-feira (28) também foi divulgado o boletim especial Território e Trabalho no Distrito Federal – Biênio 2022/2023.

O boletim especial traz uma análise do mercado de trabalho local a partir da dimensão territorial, com as regiões administrativas (RAs) organizadas nos seguintes grupos de renda: grupo 1 (alta renda): Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul, Park Way, Plano Piloto e Sudoeste/Octogonal; grupo 2 (média-alta renda): Águas Claras, Candangolândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Sobradinho, Sobradinho II, Taguatinga e Vicente Pires; grupo 3 (média-baixa renda): Brazlândia, Ceilândia, Planaltina, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, SIA, Samambaia, Santa Maria e São Sebastião; e grupo 4 (baixa renda): Fercal, Itapoã, Paranoá, Recanto das Emas, SCIA/Estrutural e Varjão.

De acordo com o boletim, a população em idade ativa – pessoas com 14 anos ou mais – da capital federal se concentra majoritariamente nas regiões com padrão mediano de renda, sendo 41,1% residindo nas RAs do grupo 3 e 32,8% nas do grupo 2. Nos grupos 1 e 4 residiam 15% e 11,1%, respectivamente.

A população economicamente ativa (PEA) – pessoas com 14 anos ou mais ocupadas ou desempregadas – do DF se distribui de forma semelhante à população em idade ativa, mas com algumas diferenças: a participação dos residentes das RAs dos grupos 1 e 2 na PEA menor que as respectivas participações na população em idade ativa, enquanto a dos residentes das RAs dos 3 e 4 é maior. Os grupos 1 e 2 correspondem por 13,7% e 31,8% da PEA, enquanto os grupos 3 e 4 representam 42,3% e 12,1%, respectivamente.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O engajamento na força de trabalho local é inversamente proporcional ao nível de renda que categoriza os grupos de RAs: 70,6% dos habitantes com 14 anos ou mais do grupo 4 e 66,1% do grupo 3 participavam do mercado de trabalho no período analisado. Nos grupos 2 e 1, 62,4% e 59% dos habitantes na mesma faixa etária eram economicamente ativos, respectivamente.

A taxa de desemprego no Distrito Federal passou de 15,5% para 15,7% entre março e abril de 2024 | Foto: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

A proporção de inativos – pessoas com 14 anos ou mais que não estão ocupadas nem desempregadas – também contribui para confirmar esse cenário: nos grupos 1 e 2, a parcela economicamente inativa é de 41% e 37,6%, respectivamente. Já nos grupos 3 e 4, esses percentuais são de 33,9% e 29,4%.

Em relação ao desemprego, os grupos 4 e 3 registravam, no biênio 2022-2023, taxas de desemprego de 20,4% e 19,3%. Por outro lado, os grupos 2 e 1 apresentavam taxas de 13,6% e 7%, abaixo do índice geral no período analisado, de 15,9%.

Mercado de trabalho regional

A taxa de desemprego no Distrito Federal passou de 15,5% para 15,7% entre março e abril de 2024. Em contrapartida, o índice reduziu em comparação com abril de 2023, quando registrou 16,8%. Acesse o boletim PED-DF/abril 2024 na íntegra.

Na periferia metropolitana de Brasília (PMB), formada pelos 12 municípios goianos vizinhos ao DF (Águas Lindas, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso), a taxa de desemprego foi de 18% em abril, abaixo da observada em março deste ano (18,6%) e em abril do ano passado (20,6%). Acesse o boletim PED-PMB/abril 2024 na íntegra.

Já na área metropolitana de Brasília (AMB), composta pelo DF e PMB, a taxa de desemprego passou de 16,4% para 16,3% entre março e abril de 2024. O índice reduziu em comparação com abril de 2023, quando registrou 17,9%. Acesse o boletim PED-AMB/abril 2024 na íntegra.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência Brasília

Continuar Lendo

Distrito Federal

DF ganha novas agências do BRB

Publicado

no

Por

Unidades estão inseridas em novo modelo de atendimento de varejo e fazem parte da estratégia de expansão do banco

O BRB vai entregar 22 agências aos brasilienses ainda neste semestre, entre novas unidades e postos de atendimento completamente reformulados. As agências estarão distribuídas por diferentes regiões do DF, reforçando a capilaridade do BRB em seu ponto de origem.

A novidade faz parte do plano de expansão da instituição, iniciado em 2019, e que permitiu ao BRB romper as fronteiras do DF e ganhar o Brasil, tornando-se um banco nacional e com presença em 93% do país.

Além de cinco novas unidades, dez receberam reforma completa em seus locais de origem, enquanto sete mudaram de endereço e igualmente foram reformadas | Foto: Rafael Lavenère/BRB

“É com muito orgulho que inauguramos mais unidades e disponibilizamos nossos serviços ainda mais perto da população do DF, que já reconhece o jeito BRB de atender”, afirma o presidente do banco, Paulo Henrique Costa. “Nosso propósito é continuar sendo o banco do coração de cada brasiliense ao oferecer um atendimento humanizado aliado à modernidade do digital, além das melhores taxas e condições de negociação.”

Inseridos no novo modelo de atendimento do banco, com foco em assegurar uma melhor experiência aos clientes, os postos serão localizados no Plano Piloto, SIA, Taguatinga, Sobradinho, Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo e Ceilândia, entre outras áreas.

Atendimento diferenciado

Das 22 unidades, cinco são novas: as agências TSE, Iate Clube, Riacho Fundo II, Brasília Shopping e PJ SIA.  Outras sete unidades foram transferidas totalmente reformadas – as do Sudoeste, SIA, Taguatinga Norte, Comercial Sul, Ceilândia Sul e Santa Maria, além da Plataforma Empresarial Fecomércio. Outras dez agências mantêm a mesma localização, mas foram completamente reformuladas.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

7,8 milhões – Número estimado de clientes atuais do BRB


Todas as unidades possuem layout mais moderno, acessibilidade e um ambiente confortável, que possibilita uma experiência omnichannel aos clientes. Contam com totens interativos, além de integração das experiências física e digital.

Os detalhes do novo projeto das unidades resultaram em reconhecimento internacional ao banco, com o recebimento, em 2022, do prêmio Muse Design Awards – referência em competições de design – pela ambiência das unidades. Com tantos diferenciais, em apenas cinco anos, o BRB passou de 685 mil clientes para mais de 7,8 milhões.

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência Brasília

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Continuar Lendo

Mais vistas