Ligue-se a nós

Distrito Federal

Semana abre com 523 vagas de emprego disponíveis no DF

Publicado

no

O cadastro para as vagas em diversas regiões de Brasília pode ser feito por aplicativo ou pessoalmente em uma das 14 unidades das agências do trabalhador

A segunda-feira (3) traz 523 vagas disponíveis pelas agências do trabalhador para quem está em busca de emprego no Distrito Federal, com salários que variam entre R$ 1.412 e R$ 5 mil. Algumas oportunidades exigem experiência comprovada.

Entre as oportunidades disponíveis, 30 são para servente de obras no Recanto das Emas (R$ 1.511). A região ainda oferece 12 vagas como bombeiro hidráulico (R$ 2.285,80) e mais cinco vagas para armador de ferragens na construção civil (R$ 2.285,80).

Mesmo que nenhuma das oportunidades do dia seja atraente ao candidato, o cadastro vale para oportunidades futuras, já que o sistema cruza dados dos concorrentes com o perfil que as empresas procuram

Nos salários acima de R$ 2 mil, há 30 vagas na função de motorista carreteiro (R$ 5.500), 15 para a área de advocacia na Asa Norte (R$ 4 mil) e, na mesma região, outras 15 como analista administrativo (R$ 3 mil).

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

As agências do trabalhador funcionam de segunda a sexta, das 8h às 17h. Mesmo que nenhuma das oportunidades do dia seja atraente ao candidato, o cadastro vale para oportunidades futuras, já que o sistema cruza dados dos concorrentes com o perfil que as empresas procuram.

Empregadores que desejam ofertar vagas ou utilizar o espaço das agências do trabalhador para entrevistas podem se cadastrar pessoalmente nas unidades ou pelo aplicativo Sine Fácil. Também é possível solicitar atendimento pelo e-mail gcv@setrab.df.gov.br. Pode ser utilizado, ainda, o Canal do Empregador, no site da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedet).

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência Brasília

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Distrito Federal

Nota Legal vai sortear R$ 3 milhões em prêmios no dia 27

Publicado

no

Por

Evento será transmitido pelo YouTube a partir das 15h; serão mais de 12,6 mil premiações, variando de R$ 100 a R$ 500 mil

A Secretaria de Economia do Distrito Federal (Seec) vai realizar o primeiro sorteio do Nota Legal de 2024 no próximo dia 27. O evento será transmitido pelo YouTube, ao vivo, a partir das 15h. Na ocasião, serão distribuídos 12,6 mil prêmios, variando de R$ 100 a R$ 500 mil, somando R$ 3 milhões em premiações.

Arte: Seec-DF

Para os 979 mil contribuintes habilitados a participar do sorteios, que estavam cadastrados no programa e adimplentes com o fisco do DF até 3 de abril, foram gerados 61.528.158 bilhetes. O número mostra um aumento de 6,28 % na emissão de bilhetes em comparação com o sorteio anterior.

Continuar Lendo

Cultura

Núcleo da Unidade de Internação de Santa Maria disputa prêmio de Melhor Escola do Mundo

Publicado

no

Por

Local concorre a título internacional de educação como único representante do Brasil na categoria Superando Adversidades, graças a projeto que ensina socioeducandos por meio da música

Rappers não usam eu-lírico. Por isso, quando Majestoza, de 18 anos, canta “o rap me resgatou, pode te salvar também” é da própria história que ela está falando. Egressa da Unidade de Internação de Santa Maria (UISM), ela viu a vida ganhar um novo rumo, por meio da música, graças a um projeto que leva o nome do ritmo: Rap – Ressocialização, Autonomia e Protagonismo.

“Quando a gente se envolve com o crime, acha que não tem mais solução, que é o fim, que vai viver daquilo para sempre. Mas, graças ao projeto, consegui ver a vida de outra forma”, destaca a rapper, poeta e atriz.

A iniciativa que mudou a trajetória de Majestoza também levou a UISM a um outro patamar. O núcleo de ensino da unidade está concorrendo ao prêmio Melhores Escolas do Mundo, na categoria Superando Adversidades. Depois de ser selecionado entre ações de todo o planeta, o local chegou aos dez finalistas e, agora, disputa o título no voto popular, sendo o único brasileiro na categoria.

O núcleo de ensino da Unidade de Internação de Santa Maria (UISM) está concorrendo ao prêmio Melhores Escolas do Mundo, na categoria Superando Adversidades | Fotos: Tony Oliveira/Agência Brasília

O projeto Rap começou em 2015, idealizado pelo professor de história da Secretaria de Educação Francisco Celso Leitão Freitas, 44 anos. “Quando eu vim para o socioeducativo, sabia que tinha que fazer algo diferente, porque esses jovens já haviam passado por escolas regulares. Não podia fazer mais do mesmo, pois estaria fadado ao fracasso. Fiz um diagnóstico e tive duas grandes percepções: que os jovens aqui tinham perdido a capacidade de sonhar, era preciso resgatar a autoestima, e, nas aulas de história, percebi que eles não se enxergavam nas histórias narradas nos livros didáticos, mas se identificavam com as letras de rap”, lembra.

Francisco Celso celebra mais uma conquista com o projeto. “Colocar o núcleo de ensino da Unidade de Internação de Santa Maria entre as 10 melhores escolas do mundo, por meio do projeto RAP, para mim significa desconstruir a visão negativa que é reproduzida pelo imaginário social, de que no socioeducativo tem meninos e meninas problemáticos, enquanto na verdade tem meninos e meninas com muitos problemas, mas que acima de tudo são potências. A juventude não é o problema do nosso país, a juventude é a solução”, destaca.

Desde então, a iniciativa coleciona prêmios – são mais de 20 – e obras lançadas, entre CDs, livros e produções audiovisuais. Francisco Celso estima que mais de 1.500 socioeducandos já tenham sido assistidos pelo Rap. Contudo, números e títulos, ele garante, não são o mais importante. “Não é um projeto assistencialista, é um projeto de emancipação. Não estou preocupado com números, estou preocupado com o impacto, com a transformação da trajetória de vida. Com o qualitativo, mais do que com o quantitativo”.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O diretor da unidade de internação, Lucian Rocha pontua a importância da iniciativa na ressocialização dos jovens: “Por se tratar de um projeto cultural, tem bastante engajamento. Como a maioria [dos socioeducandos] vem de periferia e o rap é o que mais ouvem, há bastante adesão e, com isso, o impacto é bastante positivo, inclusive na permanência no projeto”.

Mais de 1.500 socioeducandos já foram assistidos pelo projeto Rap

No mesmo sentido, a secretária de Justiça e Cidadania do DF, Marcela Passamani, diz que iniciativas como essa “ajudam os jovens a se reconhecerem como titulares de direitos e protagonistas de suas próprias vidas, adotando uma nova perspectiva”. “Todas as iniciativas do Governo do Distrito Federal voltadas para a ressocialização de jovens e adolescentes têm como objetivo principal romper, de forma definitiva, com o ciclo de infrações cometidas por esses indivíduos. Entendemos que muitos desses jovens estão fora do sistema educacional e, consequentemente, têm um baixo nível de escolaridade. Eles não tiveram oportunidades adequadas de acesso ao esporte, à cultura e ao lazer, o que aumenta sua vulnerabilidade. Portanto, é essencial e uma das prioridades da Secretaria de Justiça implementar ações e firmar parcerias em diversas áreas estabelecidas pela legislação.”


O subsecretário do Sistema Socioeducativo, Daniel Fernandes, também lembra a importância do envolvimento coletivo no trabalho desenvolvido com os jovens. “O trabalho socioeducativo é sempre um trabalho coletivo, realizado a muitas mãos. O projeto em questão é fruto do trabalho integrado da Unidade de Internação de Santa Maria e da escola da unidade, permitindo aos jovens do projeto uma oportunidade de, por intermédio da arte, aprenderem, se expressarem e acessarem determinadas conquistas. É importante o fomento a essas iniciativas porque mudam e ampliam as perspectivas de vida dos jovens participantes”, acredita.


Hoje, Majestoza segue ligada ao projeto, passando sua experiência a outros socioeducandos. E é por conhecê-lo bem que ela pede apoio para a conquista do título internacional: “Passei por várias situações e hoje viver como artista é um sonho, ver vários moleques e várias minas se inspirando em mim. Esse prêmio é para mostrar que a educação funciona, que a gente pode usar a música como ferramenta educacional. O rap é superação. E cada voto é importantíssimo”.

Na mesma categoria da UISM, concorrem escolas do Reino Unido (2), África do Sul, Afeganistão, Ucrânia, Serra Leoa, Polônia, Nigéria e Estados Unidos

Como votar

Para apoiar o Núcleo de Ensino da Unidade de Internação de Santa Maria na disputa, é preciso acessar o site em inglês. No fim da página, clique em “Vote now”. Para registrar o voto, é preciso colocar, na ordem, o primeiro nome, o último sobrenome, o e-mail, escolher o país de residência e a área que melhor descreve a sua profissão (se a sua não estiver na lista, selecione “Other”). Depois, marque se você tem mais de 18 anos (sim/yes ou não/no) e se gostaria de receber informativos. Confirme em “Vote”. Ainda será necessário confirmar o e-mail. Para isso, confira a sua caixa de entrada e aperte em “Confirm Vote”. Na janela que será aberta, aperte em “Confirm Now”.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Na mesma categoria da UISM, concorrem escolas do Reino Unido (2), África do Sul, Afeganistão, Ucrânia, Serra Leoa, Polônia, Nigéria e Estados Unidos. Há, ainda, outras quatro categorias: Colaboração da Comunidade, Envolvimento Ambiental, Inovação, e Apoiando Vidas Saudáveis. Em todas elas, há mais três colégios brasileiros, sendo um de São Paulo, um do Pará e um do Amazonas. Serão distribuídos aos vencedores US$ 50 mil. A votação popular segue aberta até 28 de junho.

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência Brasília

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo

Distrito Federal

UPAs atenderam quase meio milhão de pessoas nos cinco primeiros meses de 2024

Publicado

no

Por

O número representa um aumento de 36% em comparação com o mesmo período de 2023, quando foram realizados 343.542 atendimentos

As unidades de pronto atendimento (UPAs) do DF realizaram, nos cinco primeiros meses de 2024, quase 500 mil atendimentos. Conforme informações coletadas no Painel de Perfil Epidemiológico mantido pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IgesDF), as 13 UPAs do DF atenderam 468.479 pacientes de janeiro a maio deste ano.

No mesmo período de 2023 foram realizados 343.542 atendimentos. Isso significa que, no começo de 2024, o número de atendimentos aumentou em 36%. Nos primeiros 152 dias deste ano, a média diária foi de aproximadamente 3.082 pessoas atendidas.

Em janeiro deste ano foram 98.931 usuários atendidos. Já em fevereiro, o número se manteve próximo, com 98.440 atendimentos. Em março, houve um salto para 100.577 pessoas que buscaram os serviços de saúde das UPAs de todo o DF


Se comparado aos números de 2022, os números são ainda mais expressivos. Há dois anos, de janeiro a maio, foram realizados 244.917 atendimentos, ou seja, uma diferença de 91% entre 2022 e 2024. “É um número impressionante, que mostra o esforço, a dedicação e a expertise de todos os profissionais envolvidos nas unidades de pronto atendimento do DF”, afirma o diretor-presidente do IgesDF,  Juracy Cavalcante Lacerda Jr.


Em janeiro deste ano foram 98.931 usuários atendidos. Já em fevereiro, o número se manteve próximo, com 98.440 atendimentos. Em março, houve um salto para 100.577 pessoas que buscaram os serviços de saúde das UPAs de todo o DF. “Os dados são claros ao demonstrar que as unidades, apesar da grande demanda de pacientes, conseguiram atender a todos que buscaram assistência”, explica o superintendente das UPAs do IgesDF, Francivaldo Soares.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Em abril e maio o número de atendimentos caiu respectivamente para 90.943 e 79.588. Esses números foram reflexo da queda nos casos de pacientes que buscavam atendimento por causa da epidemia de dengue. As tendas de atendimento que foram abertas em maio ajudaram a diminuir o número de casos da doença que chegavam às UPAs, abrindo espaço para o atendimento de outras enfermidades e diminuindo a pressão no sistema de saúde.

Arte: IgesDF

Durante o período analisado, foram realizados mais atendimentos a pessoas da faixa etária entre 20 e 29 anos. Foram 88.819 pessoas atendidas. Em segundo lugar, ficaram os pacientes entre 40 e 49 anos que atingiram o número de 76.111 atendimentos.

As unidades de Ceilândia, São Sebastião e Recantos das Emas foram as que lideraram o ranking de atendimentos, sendo 54.662, 47.371 e 43.890, respectivamente. Essas são as três UPAs do DF que atendem crianças; e, em 2024, foram realizados 32.520 atendimentos desde recém-nascidos até a idade de 14 anos.

Os números mostram que as UPAs vêm enfrentando uma grande procura de atendimento médico por parte da população. “Essa alta demanda no início do ano teve uma grande relação com a epidemia de dengue e com a sazonalidade das síndromes respiratórias no atendimento pediátrico. Esses pacientes, em boa parte dos casos, apresentavam complicações que necessitavam de um tempo maior de internação. Ou seja, tivemos um grande número de pessoas que procuraram a unidade, mas não tínhamos uma vazão grande o suficiente na saída desses pacientes”, explica Soares.

Ainda conforme o superintendente, não há falta de médicos nas UPAs do DF. “O nosso corpo clínico está completo, seguindo a portaria do Ministério da Saúde que determina o tamanho das nossas unidades”, afirma. Em meio à emergência da epidemia de dengue, a diretoria do IgesDF autorizou a contratação de horas extras aos médicos para poder atender o aumento da demanda.

De acordo com Soares, o maior problema tem sido conseguir realizar o giro de leitos. “Isso acontece por conta da gravidade de muitos pacientes e por uma restrição no número de leitos em hospitais de retaguarda. E essa situação faz com que o paciente permaneça mais tempo nas UPAs, gerando uma fila de atendimento para os novos pacientes”, explica.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Painel Epidemiológico do IgesDF é ferramenta de gestão

Para reunir todos os dados necessários para a gestão que tem como foco a governança clínica, a Superintendência de Tecnologia da Informação e Conectividade em Saúde do IgesDF desenvolveu o Painel Epidemiológico. A ideia surgiu da necessidade de fornecer uma visão abrangente e atualizada dos dados relacionados à saúde, especialmente durante crises como a pandemia de covid-19.

“A criação do painel foi realizada em resposta a uma solicitação da diretoria do IgesDF, que reconheceu a importância de uma ferramenta centralizada e de fácil acesso para monitorar e analisar os indicadores epidemiológicos”, afirma o superintendente de TI do instituto, Deilton Silva.

Com a ferramenta, é possível gerir dados mais precisos como gêneros, tipo de atendimento, entender de onde veio aquele paciente e até identificar um aumento na incidência de algumas doenças durante um certo período e propor aos agentes públicos que tomem medidas para sanar o problema de forma preventiva.

A vantagem de ter uma ferramenta como essa é multifacetada. Primeiramente,  permite uma visualização clara e em tempo real dos dados epidemiológicos, o que é importante para a tomada de decisões informadas em saúde pública. Além disso, o Painel Epidemiológico pode auxiliar na identificação de tendências e padrões, facilitando a implementação de medidas preventivas e estratégias de intervenção mais eficazes.

O painel também promove a transparência e a comunicação efetiva com o público, fornecendo informações precisas e atualizadas sobre a situação epidemiológica em determinada região. “Em resumo, essa ferramenta é fundamental para o monitoramento e controle de doenças, contribuindo para a promoção da saúde e o bem-estar da população atendida pelo IgesDF”, finaliza Deilton Silva.

O painel pode ser acessado pela população no site do IgesDF ou diretamente neste link.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: IgesDF / Agência Brasília

Continuar Lendo

Mais vistas