Ligue-se a nós

Brasil

Efeito Lula: Fome cai 73% no primeiro ano de governo

Publicado

no

Lula definiu o combate à fome como um dos pontos centrais do seu governo Créditos: Ricardo Stuckert/PR

24 milhões de pessoas saíram de situação de fome; combate à insegurança alimentar é pauta central do governo

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) mostram que 24 milhões de brasileiros saíram da situação de fome em 2023.

Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a insegurança alimentar e nutricional grave – situação de fome – passou de 33,1 milhões de pessoas em 2022 (15,5% da população) para 8,7 milhões em 2023 (4,1%).

A expressiva queda de 73% da fome foi uma conquista celebradíssima pelo governo Lula, inclusive através das redes sociais.

“O amplo conjunto de políticas e programas sociais reunidos no Plano Brasil Sem Fome, a retomada do crescimento da economia e a valorização do salário mínimo são alguns fatores que recolocam o país em lugar de destaque da agenda de combate à fome no mundo. Tirar o Brasil novamente do Mapa da Fome é do presidente Lula”, afirma Wellington Dias, ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome.

“Esses resultados mostram o acerto de uma estratégia de enfrentamento à fome que é apoiada tanto em programas sociais como na condução de uma política econômica que gera crescimento econômico, reduz desigualdades e gera acesso a emprego e renda”, completa Valéria Burity, secretária extraordinária de Combate à Pobreza e à Fome do MDS.

E os 8 milhões de brasileiros passando fome?

O governo Lula pretende, claro, zerar a fome no Brasil. Retirar o Brasil do Mapa da Fome é uma missão central do executivo desde a campanha.

O ministro Wellington Dias também reforça a necessidade de continuidade das políticas. O grande desafio agora é incluir essas 8,7 milhões de pessoas que ainda estão em insegurança alimentar grave em políticas de transferência de renda e de acesso à alimentação, como o Bolsa Família.

“Vamos fortalecer ainda mais a Busca Ativa”, disse o ministro, em referência ao trabalho para identificar e incluir em programas sociais os brasileiros que precisam de apoio da assistência social.


Fato Novo com informações: Revista Fórum

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Desmatamento na Amazônia cai 62,2%; agro responde por 97% da devastação ambiental

Publicado

no

Por

No primeiro ano de governo, Lula conseguiu conter a degradação ambiental, que caiu 11,6%. No entanto, agro avançou sobre o Cerrado, que ultrapassou a Amazônia em área desmatada pela primeira vez desde o início da série histórica

No primeiro ano de governo, Lula conseguiu colocar um freio no desmatamento da Amazônia, que caiu 62,2% em relação a 2022, último ano do governo Jair Bolsonaro (PL), segundo dados do Relatório Anual de Desmatamento (RAD 2023) do MapBiomas, divulgados nesta terça-feira (28).

No total, de acordo com o estudo, o desmatamento no Brasil caiu 11,6%, de 2.069.695 hectares em 2022 para 1.829.597 hectares em 2023.

O MapBiomas aponta que a expansão agropecuária foi o principal motor do desmatamento no Brasil, representando 97% do total da devastalçai de áreas nativas.

A devastação causada pelo agro aconteceu principalmente no Cerrado, que ultrapassou pela primeira vez a Amazônia em área desmatada desde o início da série histórica, em 2019.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Segundo o relatório, 61% do desmatamento em 2023 aconteceu no Cerrado e 25% na Amazônia.


“Os dados apontam a primeira queda do desmatamento no Brasil desde 2019, quando se iniciou a publicação do RAD. Por outro lado, a cara do desmatamento está mudando no Brasil, se concentrando nos biomas onde predominam formações savânicas e campestres e reduzindo nas formações florestais”, alerta em comunicado Tasso Azevedo, coordenador do MapBiomas.

O crescimento do desmatamento no Cerrado aconteceu justamente em regiões de avanço do agro, como no município de Alto Parnaíba, no Maranhão, que registrou o maior índice de devastação, de 6.691 hectares – 70% dos municípios do Cerrado registraram desmatamento.

O avanço se deu também áreas indígenas no bioma, como no território Porquinhos dos Canela-Apãnjekra, com 2.750 hectares desmatados.

Houve ainda um aumento exponencial, de 665%, de desmatamento em territórios quilombolas e Unidades de Conservação no Cerrado.

São Desidério (BA) foi o município mais desmatado do país, com 40.052 hectares.  O relatório do MapBiomas pode ser consultado na íntegra na página do MapBiomas.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Fato Novo com informações: Revista Fórum

Continuar Lendo

Brasil

Empresários vão doar 2 mil toneladas de carne para o RS, afirma ministro

Publicado

no

Por

De acordo com o titular da pasta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez o pedido aos executivos, que atenderam à iniciativa

O ministro Carlos Fávaro (Agricultura) anunciou, nesta segunda-feira (27), que empresários do setor de proteína animal vão doar 2 mil toneladas de carne para o Rio Grande do Sul.

De acordo com o titular da pasta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez o pedido aos executivos, que atenderam à iniciativa. O anúncio ocorre depois de reunião com empresários e o chefe do Executivo, no Palácio do Planalto.

Metade da doação virá da JBS, empresa de Joesley e Wesley Batista, que também participaram da reunião nesta tarde.

Fávaro contou que será criado um grupo de trabalho com representantes do governo federal, estadual e da indústria para organizar a logística das doações, que devem acontecer ao longo dos próximos meses.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Como já há estoque disponível no estado para a doação, a expectativa é de que a carne já seja encaminhada para abrigos e cozinhas solidárias nos próximos dias.

“Nós vamos fazer juntos, governo e iniciativa privada, [logística] para que a gente possa então ter um programa permanente, até quando necessário, para a doação de proteínas”, disse Fávaro a jornalistas no Planalto.

A ideia é acrescentar na alimentação das pessoas cerca de 200 g ou 300 g de proteína animal por dia. As doações serão de carne bovina, suína, frango e ovo. Segundo ele, serão 6 milhões de refeições.

De acordo com Fávaro, o presidente repetirá o pedido de doação para empresários de outros setores.
Participaram do encontro e da doação, nesta segunda, 30 executivos do setor de proteína animal, além de dois representantes de associações, e do ministro e do presidente.

Lista de presentes na reunião

1. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República
2. Carlos Fávaro, ministro da Agricultura e Pecuária
3. Marcelo Osório, ABPA
4. Fernando Sampaio, ABIEC
5. Joesley Batista, JBS
6. Jéssica Mayara de Lima, Better Beef
7. Carlos Tiossi, Argus
8. Leonardo Dalmazzo Fortes, Comesul
9. Cristian Testoni Delavy, Distriboi
10. William Correia Matias, Frialto
11. Djalma Gonzaga de Oliveira, Frigol
12. André Benedetti, Frigosul
13. João Manoel Lira dos Santos, LKJ
14. Alfredo Pedro Massoti, Frisa
15. Alberto Sérgio Capuci, Naturafrig
16. Sandro Silva de Oliveira, Supremo Carnes
17. Luiz Bueno, Mercúrio Alimentos
18. Luiz Zanchetta, Zanchetta Foods
19. Wesley Batista, JBS
20. Marcos Molina, BRF/Marfrig
21. Gilberto Tomazoni, JBS
22. Danielle Scheneider, ABIEC
23. Felipe Oranges, Barra Mansa Alimentos
24. Cláudio Andrey Alexandrino, Astra
25. Charles Leguile, Beauvallet Brasil
26. Leandro José Pereira Macedo, Fribev
27. Estivaldo Vadão Gomes, Estrela Alimentos
28. Matheus Silva, Frigorífico Silva
29. Flávio Ferreira, MSP
30. Márcio André Scarlassara, Rio Beef
31. Cláudio Valêncio, Valêncio
32. Nelson Bezerra, Masterboi
33. Paulo Afonso, Ativo Alimentos
34. Norberto Giangrande, Minerva Foods

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Fato Novo com informações e imagens: Jornal de Brasília

Continuar Lendo

Brasil

Casal que espancou assaltantes ganhou carro de cantor sertanejo

Publicado

no

Por

Luísa Alexandra e Fênix Oliveira ganharam dinheiro do cantor, compraram o veículo e quase foram roubados

Um casal comprou carro novo com dinheiro dado por um cantor sertanejo e quase foi assaltado na última segunda-feira (20), em Uberlândia, Minas Gerais. O vídeo, viralizado nas redes sociais, mostra o momento em que Luísa Alexandra e Fênix Oliveira dão uma surra nos criminosos.

Segundo o G1, Luísa Alexandra e Fênix Oliveira contaram que ganharam R$16 mil de um cantor sertanejo para adquirir uma moto, enquanto um deles trabalhava em um bar já frequentado pelo artista.

“Trabalho como garçonete em um bar que o sertanejo sempre frequenta. Estava atendendo à mesa em que ele estava com a esposa e os amigos. Ele gostou muito de mim, até choramos juntos. Ele me perguntou do que eu ia trabalhar e contei que era de moto com meu marido. Em seguida, ele perguntou quanto custava minha moto dos sonhos. Disse que era R$ 16 mil e ele me fez o Pix na hora”, relatou Luísa.

Entretanto, ao invés de comprar a moto, Luísa optou por comprar um carro, pois, segundo ela, atenderia melhor às necessidades da família. Vale ressaltar que, em momento algum o casal revela a identidade do artista. Além dos R$ 16 mil, o sertanejo ainda deixou uma gorjeta de R$1 mil.

O cantor ainda pediu para que Luísa honrasse a promessa de que usaria o veículo para trabalhar com seu esposo e, sem voltar atrás, ela foi lá e cumpriu. Porém, dois dias depois, ocorreu o susto com o quase roubo. O casal afirmou ainda que resolveu reagir ao assalto depois de perceber que os criminosos não estavam armados, pois o carro, além de novo, ainda não tinha seguro.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Fato Novo com informações: Correio Braziliense

Continuar Lendo

Mais vistas