Ligue-se a nós

Distrito Federal

Maior obra do Complexo Viário Saída Leste, Viaduto do Itapoã/Paranoá é inaugurado

Publicado

no

Maior obra do Complexo Viário Saída Leste, Viaduto do Itapoã/Paranoá é inaugurado

Investimento em toda a estrutura viária é de R$ 95 milhões; elevado garante mais fluidez no trânsito, beneficiando aproximadamente 60 mil motoristas que trafegam pela região diariamente

Maior obra do Complexo Viário Saída Leste, o Viaduto do Itapoã/Paranoá foi inaugurado na manhã deste sábado (20) pelo governador Ibaneis Rocha. O elevado conecta a DF-250 à DF-015, interligando as duas regiões administrativas, e contribui significativamente para um deslocamento mais célere, seguro e confortável para quem acessa ou reside na parte leste do Distrito Federal.

Em todo o complexo foram investidos mais de R$ 95 milhões. O viaduto era a grande obra aguardada pela população e foi totalmente liberado neste sábado. Ele conta com uma estrutura em dois níveis: o inferior, com acesso entre Sobradinho e a Barragem do Paranoá; e o superior, entre a região de condomínios e o Lago Norte. Três faixas de rolamento em cada sentido e nove alças de acesso ajudam a tornar o trânsito mais fluido para aproximadamente 60 mil motoristas que trafegam pela região diariamente.

Ibaneis Rocha: “Saiu na ordem de R$ 95 milhões um investimento feito por nós, mas no interesse de toda a comunidade. O investimento aqui na região tem sido muito forte” | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Durante o evento, o governador Ibaneis Rocha afirmou que as obras do Complexo Viário Saída Leste atendem a uma demanda de décadas dos moradores. “Saiu na ordem de R$ 95 milhões, um investimento feito por nós, mas no interesse de toda a comunidade. Temos certeza que com isso nós atenderemos toda a sociedade do Itapoã, do Paranoá e regiões adjacentes. Fizemos aqui outras obras complementares, como a duplicação da DF-250, e estamos com obras nas duas cidades. O investimento aqui na região tem sido muito forte”, afirmou.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

As obras do viaduto inaugurado neste sábado (20) foram executadas por um consórcio de empresas terceirizadas contratadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), gerando cerca de 200 empregos diretos e indiretos.

“Esse era um ponto de entroncamento que a gente precisava tirar esse nó. E com esse grande complexo de viadutos e alças, a gente se livra desse problema”. Fauzi Nacfur Júnior, presidente do DER-DF

Presidente do DER-DF, Fauzi Nacfur Júnior destacou o tamanho da obra e o quanto ela traz benefícios a quem mora e passa pela região. “Em torno de 100 mil pessoas moram nessa região e cerca de 60 mil, 70 mil motoristas trafegam todos os dias. Esse era um ponto de entroncamento que a gente precisava tirar esse nó. E com esse grande complexo de viadutos e alças, a gente se livra desse problema. Mas, não é só isso. Duplicamos a DF-250 e pavimentamos a DF-456. São em torno de R$ 100 milhões em obras para essa bela região”, detalha Fauzi Nacfur Júnior.

Ao longo desta semana, a obra recebeu os últimos retoques, como plantio de grama nos taludes, instalação de sinalizações verticais e horizontais, das barreiras de concreto New Jersey e demais contenções necessárias para a segurança viária. Na ocasião, também foram instalados pela Companhia Energética de Brasília (CEB Ipes) os postes de iluminação pública em LED.

Quatro novas passarelas

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O governador Ibaneis Rocha também autorizou a licitação para construção de quatro passarelas nas ligações entre as cidades do Paranoá e Itapoã. Cabe lembrar que atualmente a região dispõe de semáforos e faixas de pedestres para travessias seguras.

O viaduto recém-inaugurado conta com uma estrutura em dois níveis: o inferior, com acesso entre Sobradinho e a Barragem do Paranoá; e o superior, entre a região de condomínios e o Lago Norte | Foto: Anderson Parreira/Agência Brasília

Quando as passarelas ficarem prontas, tanto os semáforos como as faixas serão removidas para dar mais fluidez e permitir que a travessia de pedestres e ciclistas seja feita exclusivamente pelas passarelas.

As estruturas aéreas serão construídas nas radiais localizadas nas proximidades da obra de arte especial, respectivamente na DF-250, na Estrada Parque Tamanduá (DF-015) e outras duas na Estrada Parque Contorno (DF-001). Elas serão construídas em estrutura mista de concreto e aço. O investimento total será de R$ 16 milhões.

“Hoje, o pedestre está muito bem servido por semáforos, passagens de pedestres, calçadas e ciclovias. Temos, inclusive, placas grandes indicando o trajeto que o pedestre tem que fazer, que o ciclista tem que fazer. Está muito bem encaminhada a preocupação com a mobilidade”, detalha Fauzi Nacfur Júnior.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Cerca de 60 mil motoristas passam diariamente pelo local e serão beneficiados com mais fluidez no trânsito | Foto: Anderson Parreira/Agência Brasília

A Secretaria de Transporte e Mobilidade do Distrito Federal (Semob) vai descentralizar recursos para a execução de três passarelas e a outra passagem será construída por meio de emenda parlamentar do deputado Rafael Prudente.

Essas estruturas serão interligadas com calçadas. Também serão construídos abrigos para passageiros do transporte público, além da execução da parte de acessibilidade entre as duas cidades.

Pacote de obras

O principal objetivo do elevado é solucionar de vez os recorrentes congestionamentos na região, especialmente nos horários de pico. Desde dezembro, o trânsito de veículos já estava liberado nas pistas superiores, uma medida adotada pelo GDF para dinamizar a circulação e reduzir o tempo de deslocamento antes mesmo da entrega integral da obra viária.

“São obras importantes e vão destravar a cidade para os próximos 50 anos, porque o DF cresce a todo momento e a estrutura da cidade estava abandonada há décadas”, acrescenta Ibaneis Rocha.

Agora totalmente entregue, o Viaduto do Itapoã/Paranoá integra o Complexo Viário Saída Leste. Além do elevado, o pacote de intervenções do GDF na mobilidade urbana da região incluiu obras de duplicação de 5,3 km da DF-250 e pavimentação de 6 km da DF-456, somando cerca de R$ 100 milhões em investimentos.

O superintendente de obras do DER, Cristiano Cavalcante, classifica a entrega do viaduto e das demais obras de mobilidade urbana como um marco para Itapoã e Paranoá. “É um complexo de obras bastante expressivo e importante, que vai mudar a vida das pessoas, trazendo mais mobilidade e facilitando o deslocamento”, enfatizou.

Emoção

Waldenice Cordeiro: “Com o viaduto, o fluxo de carros vai ser ótimo, antes tinha muito congestionamento” | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Aos 70 anos, o pedreiro Francisco Idalino Vale diz ter acompanhado cada etapa da construção da estrutura e hoje se emociona com a dimensão da obra viária. “A gente não esperava. Uma obra muito grande, que, no Paranoá, a gente não imaginava ver uma melhoria dessas chegando”, disse. “O sentimento é de gratidão, é algo que, até então, o Paranoá não tinha visto”, prosseguiu.

As palavras emocionadas do idoso encontram eco entre outros moradores da cidade. Há 22 anos na região, a comerciante Waldenice Cordeiro, 53, comemora mais essa entrega do GDF. “É a primeira vez que eu vejo uma obra dessa proporção, dessa magnitude”, destacou. “A gente crê que esse viaduto trará um conforto para os moradores daqui. Com o viaduto, o fluxo de carros vai ser ótimo, antes tinha muito congestionamento. Era muito pesado mesmo, era terrível. Vai facilitar muito a vida de todos”, finalizou.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações: Agência Brasília

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CLDF

Projeto obriga divulgação de lista de medicamentos distribuídos gratuitamente

Publicado

no

Por

A Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF) da Câmara Legislativa aprovou na tarde desta terça-feira (28) o projeto de lei nº 89/2019, que torna obrigatória a divulgação de listagem com os medicamentos que são distribuídos gratuitamente à população do Distrito Federal, pelo Sistema Único de Saúde, nos estabelecimentos comerciais que revendam estes medicamentos.

O texto segue tramitando pelas comissões permanentes, antes de ser apreciado no plenário da CLDF.

De acordo com a proposta, a divulgação deverá ser realizada por meio de fixação de listagem dos medicamentos em local de fácil acesso e ampla visibilidade ao público, e, quando possível, também deverá ser disponibilizada por meio eletrônico nos sites dos estabelecimentos comerciais.

Nos casos de descumprimento da regra, o projeto prevê a aplicação, pelos órgãos de defesa do consumidor, de forma escalonada, a penalidade de: I – advertência; II – multa de até cinco salários mínimos, na primeira reincidência; III – multa entre dez e 20 salários mínimos, em caso de reincidência após a segunda infração.

A obrigação não atinge hospitais, unidades de pronto-atendimento, centros médicos e estabelecimentos congêneres públicos ou particulares.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Fato Novo com informações: Agência CLDF

Continuar Lendo

CLDF

Ceasa poderá criar Banco de Alimentos para combater fome e desnutrição

Publicado

no

Por

As Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) estão autorizadas a criar, na forma de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, um Banco de Alimentos com o objetivo de promover a segurança alimentar e nutricional

Nesta terça-feira (28), a Câmara Legislativa aprovou, em dois turnos e redação final, o projeto de lei nº 1.084/2024, de autoria do Executivo, que trata da medida.

A atuação do Banco de Alimentos, segundo a proposição, estende-se à Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Entre as incumbências da organização está a formalização de parcerias com órgãos públicos do DF e dos municípios que integram a Ride, além da União.

São finalidades do Banco de Alimentos, entre outras: arrecadar e distribuir alimentos de qualquer espécie, com exceção de bebidas alcoólicas; fomentar programas e projetos de combate à fome e desnutrição; receber doação de recursos públicos ou privados; coibir o desperdício de alimentos; fazer campanhas junto a sociedade para estimular a doação de alimentos; bem como, promover cursos de capacitação.

Emenda ao projeto apresentada pelo deputado Jorge Vianna (PSD) e acatada pelos distritais cria o “Selo Distrital de Certificação de Empresa Consciente em Redução do Desperdício de Alimento”, com o objetivo de incentivar a adesão das empresas privadas ao Banco de Alimento do Distrito Federal.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Outra emenda, iniciativa do deputado Robério Negreiros (PSD), determina que os alimentos obtidos por doação em eventos esportivos e culturais, promovidos ou apoiados pelo Distrito Federal, devem ser “preferencialmente” direcionados ao Banco de Alimentos.

Entusiasta da ideia, a deputada Jaqueline Silva (MDB), que reivindicou a inclusão da matéria para apreciação na sessão da CLDF de hoje, comemorou o resultado da votação e a aprovação unânime do PL nº 1.084/2024, que segue para sanção do governador.


Fato Novo com informações: Agência CLDF

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo

Distrito Federal

Boletim especial traz dados sobre emprego e desemprego por grupos de regiões administrativas

Publicado

no

Por

IPEDF e Dieese analisam mercado de trabalho do DF sob a perspectiva territorial

O Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apresentaram os resultados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do DF, da periferia e da área metropolitana de Brasília referente ao mês de abril. Nesta terça-feira (28) também foi divulgado o boletim especial Território e Trabalho no Distrito Federal – Biênio 2022/2023.

O boletim especial traz uma análise do mercado de trabalho local a partir da dimensão territorial, com as regiões administrativas (RAs) organizadas nos seguintes grupos de renda: grupo 1 (alta renda): Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul, Park Way, Plano Piloto e Sudoeste/Octogonal; grupo 2 (média-alta renda): Águas Claras, Candangolândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Sobradinho, Sobradinho II, Taguatinga e Vicente Pires; grupo 3 (média-baixa renda): Brazlândia, Ceilândia, Planaltina, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, SIA, Samambaia, Santa Maria e São Sebastião; e grupo 4 (baixa renda): Fercal, Itapoã, Paranoá, Recanto das Emas, SCIA/Estrutural e Varjão.

De acordo com o boletim, a população em idade ativa – pessoas com 14 anos ou mais – da capital federal se concentra majoritariamente nas regiões com padrão mediano de renda, sendo 41,1% residindo nas RAs do grupo 3 e 32,8% nas do grupo 2. Nos grupos 1 e 4 residiam 15% e 11,1%, respectivamente.

A população economicamente ativa (PEA) – pessoas com 14 anos ou mais ocupadas ou desempregadas – do DF se distribui de forma semelhante à população em idade ativa, mas com algumas diferenças: a participação dos residentes das RAs dos grupos 1 e 2 na PEA menor que as respectivas participações na população em idade ativa, enquanto a dos residentes das RAs dos 3 e 4 é maior. Os grupos 1 e 2 correspondem por 13,7% e 31,8% da PEA, enquanto os grupos 3 e 4 representam 42,3% e 12,1%, respectivamente.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O engajamento na força de trabalho local é inversamente proporcional ao nível de renda que categoriza os grupos de RAs: 70,6% dos habitantes com 14 anos ou mais do grupo 4 e 66,1% do grupo 3 participavam do mercado de trabalho no período analisado. Nos grupos 2 e 1, 62,4% e 59% dos habitantes na mesma faixa etária eram economicamente ativos, respectivamente.

A taxa de desemprego no Distrito Federal passou de 15,5% para 15,7% entre março e abril de 2024 | Foto: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

A proporção de inativos – pessoas com 14 anos ou mais que não estão ocupadas nem desempregadas – também contribui para confirmar esse cenário: nos grupos 1 e 2, a parcela economicamente inativa é de 41% e 37,6%, respectivamente. Já nos grupos 3 e 4, esses percentuais são de 33,9% e 29,4%.

Em relação ao desemprego, os grupos 4 e 3 registravam, no biênio 2022-2023, taxas de desemprego de 20,4% e 19,3%. Por outro lado, os grupos 2 e 1 apresentavam taxas de 13,6% e 7%, abaixo do índice geral no período analisado, de 15,9%.

Mercado de trabalho regional

A taxa de desemprego no Distrito Federal passou de 15,5% para 15,7% entre março e abril de 2024. Em contrapartida, o índice reduziu em comparação com abril de 2023, quando registrou 16,8%. Acesse o boletim PED-DF/abril 2024 na íntegra.

Na periferia metropolitana de Brasília (PMB), formada pelos 12 municípios goianos vizinhos ao DF (Águas Lindas, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso), a taxa de desemprego foi de 18% em abril, abaixo da observada em março deste ano (18,6%) e em abril do ano passado (20,6%). Acesse o boletim PED-PMB/abril 2024 na íntegra.

Já na área metropolitana de Brasília (AMB), composta pelo DF e PMB, a taxa de desemprego passou de 16,4% para 16,3% entre março e abril de 2024. O índice reduziu em comparação com abril de 2023, quando registrou 17,9%. Acesse o boletim PED-AMB/abril 2024 na íntegra.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações e imagens: Agência Brasília

Continuar Lendo

Mais vistas