Ligue-se a nós

Mundo

Musk na China: Bilionário busca parceria e reconhece força da indústria

Publicado

no

O fundador e CEO da Tesla, Elon Musk, desembarcou na China – o maior mercado de veículos elétricos (EVs) do mundo, diga-se – no domingo (28). A viagem, segunda de Musk para lá em menos de um ano, reforça a mudança de tom do bilionário em relação a fabricantes chinesas de EVs – por exemplo: a BYD.

Musk viajou para o país asiático a convite do Conselho da China para a Promoção do Comércio Internacional. Neste ano, o bilionário reconheceu que as empresas chinesas são “as mais competitivas do mundo”.

“Estou muito feliz em ver o progresso dos veículos elétricos na China. Todos os carros serão elétricos no futuro”, disse o bilionário, em Pequim.

Musk é uma figura admirada na China, onde a popularidade dos veículos da Tesla têm crescido, especialmente entre a classe média.

Durante a visita, Musk compartilhou em sua página no X (antigo Twitter) – outra empresa da qual é dono – uma foto ao lado do primeiro-ministro chinês, Li Qiang.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Além de se encontrar com Li Qiang, Musk teve conversas com Ren Hongbin, diretor do Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional, e outros líderes comerciais, segundo a AFP.

Durante a visita, foi revelado que a “gigafábrica” da Tesla em Xangai é a mais eficiente da empresa, segundo Musk. E o bilionário expressou sua disposição em “aprofundar ainda mais a cooperação com a China”.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Ainda durante a estadia de Musk, está sendo organizado um “test drive” para a direção autônoma dos carros Tesla em Pequim, uma novidade no mercado chinês. Essa atividade visa obter a aprovação governamental para o lançamento do software de direção autônoma no país.


Fato Novo com informações: Olhar Digital

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Sul-coreanos processam governo por causa das mudanças climáticas

Publicado

no

Por

Na Coreia do Sul, bebês, crianças, adultos e até um feto entraram com um processo contra o governo do país por não fazer o suficiente no enfrentamento às mudanças climáticas, alegando que as metas para a redução são muito fracas e ameaçam o direito a um ambiente saudável.

O tribunal constitucional sul-coreano realizará sua segunda e última audiência do caso na próxima terça-feira (21). Mobilizações semelhantes já foram apresentadas em países como Estados Unidos, Canadá, Austrália, Índia e Brasil.

“Se tivermos um precedente favorável na Coreia do Sul, acho que isso realmente será um gatilho para espalhar essa tendência”, diz Sejong Youn, conselheiro jurídico do caso em Seul, à revista Nature. “Isso enviará uma mensagem: todos os países precisam agir para enfrentar essa crise global, e não há exceções.”

O processo em questão é uma combinação de quatro semelhantes apresentados entre 2020 e 2023 — a primeira audiência foi realizada em abril deste ano. Um desses casos foi movido por pais em nome de seu filho, um feto apelidado de Woodpecker, que atualmente tem um ano de idade.

Imagem de protesto sobre o clíma na praça da união em San Francisco, nos Estados Unidos — Foto: Unsplash/ Li-An Lim

Imagem de protesto sobre o clíma na praça da união em San Francisco, nos Estados Unidos — Foto: Unsplash/ Li-An Lim

“Normalmente, obtemos direitos humanos quando nascemos”, conta Masako Ichihara, pesquisadora de litígios climáticos do Centro de Adaptação Climática de Kyoto, no Japão. Ela explica que Woodpecker atua como um símbolo poderoso de como a sociedade deve proteger as futuras gerações ainda não nascidas dos impactos da mudança climática.

Youn espera por uma decisão ainda este ano, antes da revisão dos planos climáticos da Coreia do Sul para as Nações Unidas, conhecidos como Contribuição Determinada Nacionalmente (CDN). Atualmente, o governo sul-coreano busca reduzir as emissões de gases de efeito estufa para 40% abaixo dos níveis de 2018 até 2030.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Entretanto, alcançar esses níveis em todos os países poderia resultar em um aquecimento de até 3 °C até o final do século, em comparação aos alcances pré-industriais, de acordo com o Climate Action Tracker, que monitora os compromissos climáticos globais. Isso excede o objetivo do acordo climático de Paris de limitar o aquecimento a bem abaixo de 2 °C.

“Se tivermos uma decisão constitucional sobre a insuficiência da CDN atual [neste ano], poderemos aumentar as ambições climáticas do governo enquanto eles trabalham na meta de 2035″, explica Youn.

Ichihara observa que nos países do leste asiático, o processo é menos comum do que nos países ocidentais como meio de desafiar políticas governamentais. Essa situação representa um último recurso.

Segundo Mingzhe Zhu, da Universidade de Glasgow, no Reino Unido, a cultura local tem mudado e há uma crescente conscientização sobre a mudança climática e litígio como uma ferramenta na região, sugerindo um aumento na disposição de usar o recurso para abordar questões climáticas. “Eu acredito na criatividade das pessoas. Mesmo se você falhar desta vez, pode aprender com essa experiência e tentar novamente.”


Fato Novo com informações e imagens: Revista Galileu

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo

Brasil

Brasileira recebe prêmio internacional por sua pesquisa sobre metabolismo

Publicado

no

Por

Você sabe o que te faz funcionar como ser vivo? A resposta é simples: o seu metabolismo energético. Este é o ramo fascinante de estudo da cientista brasileira Alicia Juliana Kowaltowski, que será homenageada por sua pesquisa no próximo dia 28 de maio na sede da UNESCO em Paris, na França. Ela é uma das cinco vendedoras do Prêmio Internacional L’Oréal–UNESCO Para Mulheres na Ciência 2024.

A premiação, que está em sua 26ª edição, homenageia uma cientista mulher de cada continente por seus projetos pioneiros nas áreas das ciências da vida e do ambiente. Escolhida como representante da América Latina e Caribe, Kowaltowski produz um “trabalho crítico na compreensão dos impactos do metabolismo energético em doenças crônicas, incluindo obesidade e diabetes, e o envelhecimento”, segundo o comitê do prêmio.

Junto das demais laureadas, a brasileira foi selecionada entre 350 candidatas em todo o mundo pela Professora Brigitte L. Kieffer, membro da Academia Francesa de Ciências e ex-vencedora do programa Para Mulheres na Ciência. Todas as ganhadoras irão receber cada uma 100 mil euros (aproximadamente R$ 554, 5 mil) para investir em seus projetos, além de bolsas de estudos voltadas para doutorado e pós-doutorado.

O que é metabolismo?

Responsável pelo Laboratório de Metabolismo Energético (LME) do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo (USP), a professora explica em entrevista à GALILEU que o metabolismo é “um conjunto de reações químicas que transformam moléculas para obter energia para os nossos corpos funcionarem”. Isso permite que a gente contraía músculos, tenha o cérebro pensando, o fígado funcionando, entre outros.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

A especialidade de Kowaltowski, que é também membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia Brasileira de Ciências, é o metabolismo energético mitocondrial – aquele relacionado às mitocôndrias.

“As mitocôndrias são organelas dentro das células, que transformam a energia para essa energia poder ser usada pelo resto das células. Eu gosto de chamá-las então de baterias da célula”, conta.

Integrantes do Laboratório de Metabolismo Energético da USP — Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Integrantes do Laboratório de Metabolismo Energético da USP — Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Ao estudar o metabolismo energético dessas organelas, é possível identificar moléculas-alvo que definem como nós funcionamos normalmente ou não devido a alguma doença. ”Toda a base de uma doença que envolve alterações metabólicas vai envolver mudanças nessas moléculas e nesses processos que a gente estuda”, afirma a bioquímica, autora do livro O que é metabolismo? Como nossos corpos transformam o que comemos no que somos (2016, Oficina de Textos), que aborda como os alimentos são convertidos em moléculas que constituem nosso organismo.

Trabalho em equipe

Para Kowaltowski, o Prêmio Internacional L’Oréal–UNESCO Para Mulheres na Ciência não é somente dela, mas de toda a equipe com a qual ela trabalha. ”Às vezes eu me sinto um pouco culpada, porque um reconhecimento como esse é dado a uma indivídua como eu, mas a ciência não é uma coisa individual. É o trabalho do laboratório que está sendo premiado, no fundo. E esse trabalho envolve muitas outras pessoas.”

Integrantes do Laboratório de Metabolismo Energético da USP — Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Integrantes do Laboratório de Metabolismo Energético da USP — Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O grupo da pesquisadora no LME busca entender quais processos estão alterados a nível celular e, por isso, utiliza células humanas de diferentes tipos, como do coração, fígado e pele. Por lá, eles também fazem estudos com ratos e camundongos que recebem diferentes dietas, seja para ficarem obesos ou mais magros.

Com isso, a equipe pode avaliar como as dietas mudam o metabolismo energético e também como essas mudanças de metabolismo estão relacionadas com doenças associadas à obesidade. “A gente pode descobrir operações metabólicas envolvidas no desenvolvimento de diabetes, por exemplo, ou no desenvolvimento de doença cardíaca, doença do fígado, do cérebro, etc”, afirma Kowaltowski.

Esse trabalho é particularmente importante levando em conta que, até 2025 o mundo terá aproximadamente 167 milhões de pessoas – adultos e crianças – menos saudáveis por estarem acima do peso ou obesas, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). “A obesidade limita o tempo de vida, tanto de humanos quanto de modelos animais que a gente estuda e também promove várias doenças associadas à idade.”

Mulheres cientistas

O L’Oréal–UNESCO Para Mulheres na Ciência já homenageou mais de 4,4 mil mulheres, incluindo 132 ganhadoras de prêmios internacionais e mais de 4 mil jovens pesquisadoras. Entre as laureadas, 7 receberam o Prêmio Nobel de Ciência.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

No Brasil, a participação de mulheres como autoras de publicações científicas cresceu 29% nos últimos 20 anos, conforme relatório da Elsevier-Bori. Apesar disso, segundo o Banco Mundial e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, o país investe apenas cerca de 1,2% do PIB em pesquisa e desenvolvimento.

Já no mundo, dados da Unesco apontam que as mulheres representam somente 33,3% de todos os pesquisadores e apenas 35% de todos os estudantes das áreas de STEM (engloba os ramos da ciência, tecnologia, engenharia e matemática) são mulheres.

A professora do IQ da USP admite que sua posição é um pouco diferente das demais cientistas do planeta, já que ao longo de sua carreira teve bons exemplos e notou as mulheres como maioria de suas colegas na área biológica. “A gente já quebrou o teto de vidro há muito tempo”, considera a cientista, que comanda um importante cargo de gestão como presidente eleita da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq).

De acordo com Kowaltowski, “se você dá condições iguais, se você tem exemplos, você consegue”. E o Prêmio Internacional L’Oréal–UNESCO Para Mulheres na Ciência serve justamente para isso: dar um exemplo positivo a outras cientistas. “Você cria essa ideia na cabeça das pessoas, ‘de que eu também posso ser’ [cientista]”, diz a professora.

Entre as pesquisas em andamento no Laboratório de Metabolismo Energético da USP, está uma investigação sobre os mecanismos pelos quais células respondem a diferentes níveis de nutrientes e um estudo sobre como o metabolismo muda com o estrogênio, hormônio sexual feminino. “A gente vai sempre continuar pensando em novas perguntas metabólicas para a gente responder”, garante a professora.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Além da premiação internacional que a brasileira conquistou, o Grupo L’Oréal no Brasil realiza localmente o Para Mulheres na Ciência em parceria com a Academia Brasileira de Ciências e a UNESCO no Brasil, premiando sete pesquisadoras com uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil reais nas áreas de Ciências da Vida, Ciências Físicas, Ciências Químicas e Matemática. As inscrições de 2024 estão abertas até o dia 10 de junho. Você pode se inscrever através deste link.


Fato Novo com informações e imagens: Revista Galileu

Continuar Lendo

Meio Ambiente

Dia Mundial da Abelha ressalta engajamento entre polinizadores e jovens

Publicado

no

Por

Nações Unidas querem inspirar futuros líderes da área ambiental e promover ações em favor das espécies em perigo; impacto de ações humanas provoca subida da taxa de extinção de polinizadores em até 1 mil vezes acima do normal.

Neste 20 de maio é assinalado o Dia Mundial da Abelha sob o tema “Abelha engajada com a Juventude”.

A data ressalta como os ecossistemas terrestres dependem da sobrevivência dos polinizadores, promove maior consciência sobre sua importância, enfatiza as ameaças e o papel para o desenvolvimento sustentável.

Ameaça de extinção 

De acordo com as Nações Unidas, o impacto humano acelera a ameaça de extinção de animais que transportam o pólen entre as flores numa taxa entre 100 e 1 mil vezes acima do normal.

Contribuição dos polinizadores vai além da segurança alimentar

FAO/James Cane – Contribuição dos polinizadores vai além da segurança alimentar

A organização aponta ainda a ameaça de extinção enfrentada por até 35% dos polinizadores invertebrados, especialmente as abelhas e borboletas, e 17% dos polinizadores vertebrados, tais como os morcegos.

A polinização realizada pela classe de animais, que inclui os beija-flores, é um processo essencial para a sobrevivência dos seres vivos. Por isso, o Dia Mundial da Abelha impulsiona o controle do seu declínio e da perda de biodiversidade.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Estima-se que 90% das espécies de plantas com flores silvestres do mundo dependam, total ou parcialmente, da polinização animal. Essa situação envolve mais de 75% das culturas alimentares e 35% das terras agrícolas globais.

Problemas de abastecimento alimentar 

A contribuição dos polinizadores vai além da segurança alimentar, cobrindo também a conservação da biodiversidade.

Dia Mundial da Abelha impulsiona o controle do seu declínio e da perda de biodiversidade

Pnud/Priscilla Mora Flores – Dia Mundial da Abelha impulsiona o controle do seu declínio e da perda de biodiversidade

A ONU defende que medidas de proteção das abelhas e outros polinizadores contribuiriam de forma significativa para resolver problemas associados ao abastecimento alimentar global e eliminação da fome nos países em desenvolvimento.

Em nível global, as celebrações do Dia Mundial da Abelha são lideradas Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Em 2024, o apelo feito aos jovens é que exerçam um papel essencial abordando os desafios que as abelhas e outros polinizadores enfrentam.

Inspirar futuros líderes

A comemoração destaca a importância de se envolver os jovens na apicultura e na conservação dos polinizadores na qualidade de “futuros administradores do meio ambiente.”

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Impacto humano acelera a ameaça de extinção de animais que transportam o pólen entre as flores

© FAO/Zinyange Auntony – Impacto humano acelera a ameaça de extinção de animais que transportam o pólen entre as flores

A meta da campanha deste ano é sensibilizar os jovens e outras partes envolvidas sobre o papel eficaz das abelhas e de outros polinizadores em setores como agricultura, equilíbrio ecológico e preservação da biodiversidade.

Para a ONU, o envolvimento das novas gerações em atividades como apicultura, iniciativas educacionais e esforços de defesa deve “inspirar futuros líderes ambientais e capacitá-los para causar um impacto positivo no mundo”.

Uma maior polinização, promoção de sistemas agrícolas mais diversificados e redução da dependência de produtos químicos tóxicos melhoram a qualidade e a quantidade de alimentos em benefício das populações e do ecossistema.

Alta das temperaturas e alterações do clima

Entre os benefícios dos polinizadores estão garantir culturas como frutas, nozes e variedades de vegetais. Com a possível substituição destas culturas pela produção cada vez maior de arroz, milho e batata o receio é que a dieta fique desequilibrada.

Fatores como práticas agrícolas intensivas, alterações no uso dos solos, monocultura, pesticidas, alta das temperaturas e alterações do clima aumentariam as ameaças às populações de abelhas que teriam impacto na qualidade alimentar.

Pela Convenção sobre a Diversidade Biológica, a conservação e o uso sustentável dos polinizadores são uma prioridade. O tratado da ONU aponta as dimensões da crise da polinização e como ela afeta a biodiversidade e os meios de subsistência.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Continuar Lendo

Mais vistas