Ligue-se a nós

Cultura

Mãe de todas as artes: 17º Salão do Artesanato começa na quarta-feira (8)

Publicado

no

Principal evento dedicado à expressão artística manual no DF ocorre até o dia 12 de maio, no Pátio Brasil. Mostra reúne 80 mil peças de mais de 500 artesãos do país

Símbolo da diversidade cultural brasileira, a produção artesanal estará em destaque no Distrito Federal entre quarta-feira (8) e o domingo (12), durante o 17º Salão do Artesanato. O evento abre o calendário nacional de feiras do setor este ano, e reunirá obras de mais de 500 artistas manuais, na varanda do shopping Pátio Brasil.

“O Salão do Artesanato é uma grande oportunidade para os artesãos apresentarem suas técnicas, comercializarem seus produtos e gerarem emprego e renda. A cultura e as histórias são representadas por esses artistas, por meio de seu trabalho. O GDF vem buscando cada vez mais valorizar e apoiar o artesanato de nossa capital”, Cristiano Araújo, secretário de Turismo

O salão conta com a parceria do Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do apoio das secretarias de Turismo (Setur) e de Cultura e Economia Criativa (Secec). Nesta edição, ele coincide com a semana do Dia das Mães, data que ilustra o tema “Artesanato: a Mãe de Todas as Artes”.

A expectativa é que 60 mil pessoas circulem pelos estandes nos cinco dias de evento. Os visitantes poderão acompanhar de perto trabalhos manuais singulares a partir de tipologias como cerâmica, madeira, fios, capim, palha, metal, rendas, bordados e outras. Ao todo, serão cerca de 80 mil peças.

De acordo com o secretário de Turismo, Cristiano Araújo, a mostra é uma ocasião importante para troca de experiências e contato com expressões artísticas de todas as regiões do país. Artesãos de 23 estados e do DF estarão representados.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

A cultura e as histórias são representadas por esses artistas, por meio de seu trabalho. O GDF vem buscando cada vez mais valorizar e apoiar o artesanato de nossa capital”, afirma Araújo.

Além disso, o evento impulsiona os setores de economia criativa e de turismo do DF, a partir da participação dos artistas manuais de outros estados, das rodadas de negócios e de possibilidades comerciais singulares para o segmento. A organização estima uma movimentação de R$ 4 milhões em vendas locais e negócios futuros, além da geração de mil empregos diretos e três mil indiretos.

Para a mestre Cleziania Ribeiro, uma das cerca de 100 artesãs do DF, a parceria de mais de 30 anos com a Setur proporciona muitas oportunidades aos trabalhadores manuais do DF | Foto: Arquivo Pessoal

Arte em traços, ritmos e texturas

“O evento é relevante para o Distrito Federal porque traz para a cidade o que temos de melhor na produção artesanal de todos os estados”, avalia a diretora executiva da Rome Eventos, Leda Simone, organizadora da mostra este ano. “Para os artesãos, promove uma troca de experiências, a partir de produtos e técnicas de outros artistas, e, para a comunidade, é um momento ímpar de encontrar produtos de todas as regiões em um só lugar”, frisa.

O salão também dá visibilidade ao artesanato produzido no DF. Dos 500 expositores de todo o país, cerca de 100 são da capital federal. Entre eles, a mestre artesã Cleziania Ribeiro, de 45 anos, que produz esculturas em cerâmica.

A moradora de Ceilândia participa da iniciativa há pelo menos três edições, graças ao apoio da Secretaria de Turismo. “Participar desses eventos é de uma importância muito grande porque permite que a gente tenha uma vitrine para vender os nossos produtos em um local de grande visibilidade”, conta a artesã.

estande com capacidade para 20 artesãos apresentarem seus produtos, gratuitamente, e outro para abrigar mais 10 artistas, que serão recebidos pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB).

Na visão de Cleziania, a parceria de mais de 30 anos com a Setur proporciona muitas oportunidades aos trabalhadores manuais do DF. “A secretaria cede os espaços para nós, o que nos dá visibilidade e acesso a locais que para a gente, enquanto artesãos, muitas vezes não temos condição de fazer o investimento. Então, com a Setur, a gente consegue ter acesso a locais que seriam inacessíveis para nós”, relata.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O evento é aberto ao público e tem entrada gratuita. Além da compra de peças exclusivas produzidas artesanalmente pelos artistas, os visitantes também poderão aproveitar oficinas gratuitas de práticas como tapeçaria, bordado e cerâmica, mediante inscrição prévia no site do evento.


Fato Novo com imagem e informações: Agência Brasília e Jornal de Brasília

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura

Instituto HDUN oferece aulas gratuitas de violão em parceria com Cerrado Livre

Publicado

no

Por

Em uma iniciativa para promover a educação musical e a inclusão social através da arte o Instituto HDUN, em colaboração com a OSC Cerrado Livre, está oferecendo aulas de violão totalmente gratuitas para a comunidade

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo contato de WhatsApp abaixo. As aulas acontecerão na sede do Instituto HDUN, localizada na CL 205 lote B 03, em Santa-Maria. Para atender melhor a comunidade, foram disponibilizadas turmas em dois horários diferentes: às terças-feiras à tarde e às quintas-feiras pela manhã, oferecendo flexibilidade para que mais pessoas possam participar.

A parceria entre o Instituto HDUN e a Cerrado Livre reflete um compromisso com o desenvolvimento cultural e social da região. A oferta de aulas de violão gratuitas é uma forma de democratizar o acesso à música, incentivando o aprendizado e a prática musical entre crianças, jovens e adultos. Os organizadores destacam que as vagas são limitadas, então é importante que os interessados se inscrevam o quanto antes para garantir sua participação.

Esta ação é mais um exemplo do impacto positivo que a colaboração entre organizações sociais pode ter na comunidade. A expectativa é que as aulas de violão não apenas ensinem um novo instrumento aos participantes, mas também fortaleçam laços comunitários, estimulem a criatividade e ofereçam novas perspectivas de crescimento pessoal e profissional para os envolvidos.

Serviço

Projeto: Cerrado Musical

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Aulas de Violão (Presencial e On-line)

Incrição pelo WhatsApp: (61) 99235.3853

Realização: Cerrado Livre – Apoio: HDUN


Fato Novo com informações: HDUN

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90
Continuar Lendo

Concurso Público

Publicado edital para contratação temporária para o MinC

Publicado

no

Por

Serão ofertadas 99 vagas para desenvolver atividades relacionadas a Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura

OMinistério da Cultura (MinC) publicou nesta segunda-feira (13), em edição extra do Diário Oficial, edital para o Processo Seletivo Simplificado para contratação temporária de pessoas para auxiliar nas atividades relativas à implementação da Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura (PNAB). Ao todo serão 99 vagas e salários que variam entre R$ 3,8 mil e R$ 6,1 mil. O lançamento do processo seletivo tem como data a segunda segunda-feira de maio, Dia Nacional dos Trabalhadores em Entidades Culturais, Recreativas e Conexas (Lei 14.517/2023) e integra as ações do MinC voltadas às pessoas trabalhadoras do setor.

As inscrições para o processo seletivo estarão abertas no dia 10 de junho e vão até o dia 30 de junho. As vagas, ambas de nível superior, estão distribuídas da seguinte forma:

  • Técnicas de Complexidade Intelectual: 57 vagas, com salário de R$ 6.130,00
  • Técnicas de Suporte: 42 vagas, com salário de R$ 3.800,00

Os contratados serão lotados na cidade de Brasília, no Distrito Federal. O contrato terá duração inicial de um ano, podendo ser prorrogado por até quatro anos.

Para Bruna Santos, coordenadora-Geral de Gestão de Pessoas do MinC, o concurso vai impactar positivamente na execução das políticas e com um ambiente favorável de trabalho.

“A Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura vai garantir até 2027, um total de R$15 bilhões de investimentos em ações e projetos culturais em todo o território nacional. Então seria inviável a execução desse orçamento sem pessoal. Nesse sentido, o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) autorizou essas vagas para auxiliar na PNAB”, concluiu.

Mais informações do Processo Seletivo Simplificado por meio do telefone 2024-2258 ou do e-mail: concursotemporario@cultura.gov.br

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Fato Novo com informações: MinC

Continuar Lendo

Cinema

Mostra leva produções brasilienses ao Cine Brasília

Publicado

no

Por

Sessões gratuitas começaram nesta quinta-feira (9) e seguem até o próximo dia 19, com exibição do show que o DJ Alok fez no aniversário de Brasília

A partir desta quinta-feira (9), com o mote Cinema Brasiliense no Cine Brasília, o público poderá prestigiar a exibição de mais uma rodada de filmes produzidos por cineastas da capital federal. As sessões seguem até o próximo dia 19, com a reprise do show do DJ Alok na celebração dos 64 anos de Brasília.

As produções foram escolhidas a partir da curadoria do cineasta Pedro Lacerda e, mais uma vez, serão exibidas ao público gratuitamente.

O filme de estreia desta edição é o longa-metragem Conterrâneo Velhos de Guerra, do diretor Vladimir Carvalho. O filme retrata o ano de 1959, quando pessoas de diversas partes do Brasil, especialmente do Nordeste, chegam a Brasília para trabalhar na construção da futura capital brasileira.

O cinema foi reaberto reaberto em 22 de abril, depois de passar dois meses fechado para intervenções e obras de manutenção

Reabertura

No último dia 22 de abril, o Cine Brasília foi reaberto após um período de dois meses, em que esteve fechado para intervenções e obras de manutenção. O investimento na melhoria do primeiro equipamento público da capital, inaugurado em 22 de abril de 1960, foi de cerca de R$ 1 milhão.

R$ 1 milhão foi o valor investido na reforma do Cine Brasília

A reabertura da maior sala de cinema de rua do país contou com a exibição especial do filme JK – O Reinventor do Brasil e o lançamento de uma exposição fotográfica com imagens do ex-presidente da República no hall do cinema. O evento fez parte da programação comemorativa dos 64 anos de Brasília.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

“Não por acaso reabrimos o Cine Brasília, depois da reforma, com um filme sobre JK. Isso para nós é muito emblemático. Celebramos a cidade que foi concebida, criada e construída por JK e deixamos um legado para o campo da cultura do Distrito Federal”, reforça o secretário de Cultura e Economia Criativa, Claudio Abrantes.

Gestão compartilhada

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec-DF) está finalizando o processo de contratação da nova gestão do Cine Brasília. A seleção da Organização da Sociedade Civil (OSC) durou cerca de 60 dias.

As exibições seguem até o dia 19 de maio, sempre às 20h; todas as sessões são gratuitas

A OSC vencedora da seleção fará a gestão compartilhada do Cine Brasília, em parceria com a Secec. O orçamento previsto para a gestão é de R$ 2 milhões por ano, totalizando R$ 6 milhões ao final do contrato.

“É importante lembrar que agora essa parceria de cogestão tem o prazo de até três anos para dar mais longevidade ao projeto, e já possui recursos garantidos para promover o audiovisual do DF por meio deste equipamento tão importante que é o Cine Brasília”, destaca Claudio Abrantes.

A nova cogestão deve iniciar ainda neste mês de maio; até lá, o público poderá desfrutar de sessões gratuitas da segunda edição da mostra de filmes brasilienses, sempre às 20h.

Confira a programação completa:

 Dia 9, às 20h – Conterrâneos Velhos de Guerra

Em 1959, pessoas de diversas partes do Brasil, especialmente do Nordeste, chegam à cidade de Brasília para trabalhar na construção da futura capital federal. Assim como os canteiros de obras se espalham no meio do nada, os abusos aos trabalhadores também. Essas pessoas, que ficaram conhecidas como candangos, sofreram humilhações, e as péssimas condições de trabalho levaram a um grande número de mortes. Direção de Vladimir Carvalho. Classificação livre.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

• Dia 10, às 20h – A Repartição do Tempo

Num rincão esquecido da vasta burocracia brasileira, um chefe psicótico usa uma máquina do tempo para duplicar seus funcionários e aumentar a produtividade. Direção de Santiago Dellap. Classificação livre.

• Dia 11, às 20h – Noctiluzes

Um misterioso homem cego recebe a visita de dois desconhecidos em um píer, e compartilham histórias que parecem puro absurdo. Cada um deles tem um motivo para estar ali, mas ninguém quer revelar, o que torna o conflito inevitável. Seleção oficial do Festival Internacional de Zanzibar 2022. Direção de Jimi Figueiredo e Sergio Sartório. Classificação livre.

• Dia 12, às 20h – Marés

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Depois de anos negligenciando o alcoolismo em sua vida, Valdo percebe que dar continuidade à bebedeira implica perder a guarda da filha que tanto ama. Direção de J. Procópio. Classificação: 16 anos.

• Dia 13, às 20h – Profissão Livreiro

O livreiro Ivan Presença, dono da falida Livraria Presença de Brasília, guarda em sua casa mais de 110 mil livros amontoados em dois galpões que construiu no lote onde mora e se viu ameaçado com a chegada das grandes redes e dos novos modelos de negócios, impulsionados pela internet. Direção de Pedro Lacerda. Classificação livre.

• Dia 14, às 20h – Candango – Memórias do Festival

Em 1965, um ano após o golpe militar que instalou uma ditadura no Brasil, um pequeno oásis de liberdade surgiu na capital do país: o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Um marco de resistência cultural, artística e política, contar a história deste festival significa contar a história do próprio cinema nacional, da expressão artística dentro de uma censura brutal, e da subsequente redemocratização. Direção de Lino Meireles. Classificação: 16 anos.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

• Dia 15, às 20h – Hollyhood no Cerrado

O documentário traça uma nova perspectiva sobre a ocupação do Centro-Oeste do Brasil por meio de histórias pouco conhecidas. Narrado na forma de um almanaque audiovisual, o filme retrata as transformações culturais, econômicas e midiáticas anteriores à transferência da capital do Brasil para Brasília. Animações e depoimentos revelam a história de vida de sertanejos, missionários, imigrantes europeus, sírio-libaneses, norte-americanos e de astros de Hollywood que desbravaram o velho Centro-Oeste em busca da Terra Prometida. Direção de Armando Bulcão e Tania Montoro. Classificação livre.

• Dia 16, às 20h – Meu amigo Nietzshe

Aprender a ler pode trazer muitas surpresas e abrir horizontes inimagináveis. Mas como você faz isso quando os livros são escassos. No Brasil, o primeiro livro encontrado em um aterro sanitário pode dar conta do recado. Nietzsche torna-se, assim, o companheiro diário de Lucas e irá guiá-lo em muitas aventuras. Direção de Fáuston Da Silva. Classificação livre.

• Dia 16, às 20h – Chiquinho, o Livreiro da UNB

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O documentário mostra a vida do livreiro Chiquinho da UnB, e revela que os livros estão presentes até na casa dele. Direção de Hélio Doyle. Classificação livre.

• Dia 17, às 20h – Araguaia, a conspiração do silêncio – 20 anos depois

O Exército Brasileiro no auge da ideologia da segurança nacional, um partido de esquerda dissidente, militantes aguerridos (a maioria deles ainda jovem e inexperiente), inocentes camponeses e uma região onde a ambição e a miséria disputavam lugar palmo a palmo. Direção de Ronaldo Duque. Classificação: 16 anos.

• Dia 18, às 20h – Suassuna, a peleja do sonho com a injustiça

Um momento crucial da vida do escritor Ariano Suassuna: a transformação da amargura pelo assassinato do pai, João Suassuna, em força para seguir o exemplo paterno e se tornar um defensor do povo nordestino e de seus direitos. O roteiro da animação foi escrito em versos e a arte é inspirada nas xilogravuras do movimento armorial, vertente artística idealizada por Ariano. Direção de Felipe Gontijo. Classificação livre.

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

O colar de Coralina

Filme com Letícia Sabatella, inspirado no poema de Cora Coralina O Prato Azul Pombinho. Direção de Reginaldo Gontijo. Classificação livre.

• Dia 19, às 20h – Show do Alok no aniversário de Brasília

Reprise remasterizada. Duração: 80 minutos. Classificação livre.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec-DF)

Anúncio
Alle Rede Ads 728x90

Siga nossas redes sociais: Facebook Instagram.


Fato Novo com informações: Agência Brasília

Continuar Lendo

Mais vistas